Descrição de chapéu Jair Bolsonaro

Religião tem pouca influência no voto dos eleitores da Marcha para Jesus

Maioria dos frequentadores do evento religioso não espera presidente da República evangélico

José Gabriel Navarro
São Paulo

A maioria (40,9%) dos frequentadores da Marcha para Jesus, que ocorreu pela 26ª vez em São Paulo na última quinta-feira (31), não espera que o próximo presidente da República seja evangélico. Quase um terço (32,62%) dos participantes até prefere que o Executivo fique nas mãos de alguém que professe outra ou nenhuma fé.

Essas são algumas das conclusões de uma pesquisa realizada durante o ato religioso pelo Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política (Neamp) da PUC-SP em parceria com o Grupo de Pesquisa Comunicação e Religião da Intercom (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação).

Com relação às intenções de voto para presidente este ano, as proporções dos resultados se assemelham às de pesquisas com ampla amostragem. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vem em primeiro lugar (escolhido por 20,09% dos respondentes), seguido pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PSL, com 15,6%) e pela ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede, com 5,91%).

Na última pesquisa Datafolha, divulgada em 15 de abril, o petista alcançava entre 30% e 31%, a depender do cenário. Bolsonaro conseguia entre 15% e 16% das intenções de voto, e Marina, entre 9% e 10%, sempre que Lula era apresentado como um dos candidatos.

No cenário do estudo da PUC-SP com a Intercom sem Lula na disputa, os votos para o petista se pulverizam entre os demais candidatos. Evangélicos, Marina e o empresário Flávio Rocha (PRB) pouco ou nada se beneficiam da situação: ele permanece estável (de 0,23% para 0,24%) e ela sobe para 9,46%, porém ainda seguida de perto pelo ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB, com 6,15%). Bolsonaro chega a 17,49%.

Comparativamente, na última pesquisa Datafolha, nos cenários sem o ex-presidente petista, Bolsonaro sempre ficava com 17%, Marina, com algo entre 15% e 16%, Alckmin, entre 7% e 8%, e Flávio Rocha, no máximo, 1%. Naquele momento, o ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) ainda figurava como possível candidato.

A indiferença com relação à fé de quem for eleito presidente em 2018, a relativa similaridade com pesquisas não focadas no público evangélico, e a alta taxa de brancos, nulos, e eleitores que não souberam ou não quiseram responder –que gira em torno de 50% em ambos os cenários– leva os organizadores do estudo a concluírem que os integrantes desse grupo religioso (22,2% dos brasileiros, segundo o censo de 2010 do IBGE) não votam de modo homogêneo.
 
“Não existe voto evangélico”, diz a pesquisadora Magali Cunha, da Intercom. “O que pesa, nessa hora, é a questão da classe social, a da formação educacional. São os interesses da população em torno daquele que querem que seja a sua liderança maior”.

Já o pesquisador Leandro Ortunes atribui esses resultados a dois fatores. Um é a ideia de que a política, por constituir um ambiente corrupto, não é lugar para um cristão. Outro ponto é a própria desconfiança nas instituições políticas. "Isso leva ao pensamento de ‘tanto faz’. Os entrevistados não acreditam que um evangélico faria a diferença”, diz.

Os participantes do ato também não se veem refletidos no Legislativo, com 27,66% deles dizendo que a chamada Bancada Evangélica não os representa. Outros 16,55% afirmaram que nem sequer a conhecem, e 18,20% se declararam indiferentes a esse grupo de parlamentares.

Dentre as 423 pessoas entrevistadas no evento, 16,78% se identificam como membros da Assembleia de Deus e 15,37% são integrantes da igreja Renascer em Cristo, responsável por organizar a Marcha. Outros 14,89% são católicos. Há, ainda, 4,26% de adventistas e 3,31% de frequentadores da Igreja Universal do Reino de Deus. Os demais 32,86% fazem parte de outras denominações evangélicas.

Praticamente a metade (48,23%) dos frequentadores da Marcha para Jesus disse não ter preferência ideológica, e mais de um quinto (22,46%) não soube responder a essa pergunta, restando 13,95% à direita, 8,75% à esquerda, e 6,62% ao centro. A ampla maioria (81,80%) tampouco se identifica com algum partido. Mas o mais citado entre os que se identificam é o PT, com 9,22%, e 46,81% dizem que escolhem um candidato —seja para a presidência, para a Câmara ou para o Senado— pelo seu discurso ou proposta. Um em cada dez (10,44%) se baseia no horário eleitoral para decidir em quem votar.

COMPORTAMENTO

Mais de um terço (36,17%) dos participantes se declarou favorável à descriminalização do aborto quando houver violência sexual ou risco de vida da mãe, casos hoje já liberados pela lei. Outros 46,17% se disseram contrários a descriminalizar o ato sob quaisquer circunstâncias, e 13% são a favor da liberdade total de escolha da mulher.

A maioria dos entrevistados (76,83%) quer a redução da maioridade penal, e mais de um terço (36,17%) se diz a favor da pena de morte (47,04% são contra). Enquanto 62,41% creem que o conceito de família se limita à união entre homem e mulher, 58,87% se dizem a favor do casamento entre pessoas do mesmo gênero —o que, para os pesquisadores, indica que poucos dos que compareceram à Marcha distinguem o casamento civil do religioso, e que supõem que as igrejas poderão ser obrigadas a celebrar uniões gays.    

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.