Descrição de chapéu Eleições 2018

Alvaro Dias chama aliança de Alckmin com centrão de Arca de Noé

Candidato diz que vitória de tucano seria a reedição da tragédia que o país vive hoje

Talita Fernandes Daniel Carvalho
Brasília

Candidato ao palácio do Planalto pelo Podemos, o senador Alvaro Dias criticou a aliança do PSDB de Geraldo Alckmin com o centrão. Segundo ele, o objetivo do agrupamento público é manutenção do atual sistema político, que foi posto em xeque pela Lava Jato. 

"Eu não posso me recusar a afirmar que é uma Arca de Noé", disse. "Acima de tudo o PSDB, que foi o responsável por essa engenharia construtora da Arca de Noé."

O senador, que já foi filiado ao PSDB, criticou sua antiga legenda e disse que uma vitória do tucano seria a reedição da tragédia que o país vive hoje.

"Há aí uma conspiração contra a Operação Lava Jato. Já na arrumação partidária, na esperança de chegar à Presidência da República, há compromissos clandestinos de que a Operação Lava Jato será fulminada. Ela tem que ser a prioridade do povo brasileiro porque certamente é o marco de um novo rumo e dela nascerá uma nova Justiça e reabilitaremos nossas esperanças no nosso país."

Ele participou nesta segunda-feira (6) de sabatina promovida pela Coalizão pela Construção, formada por 26 entidades representativas desta indústria. Além do candidato do Podemos, participam do evento Alckmin, Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Henrique Meirelles (MDB).

Dias fez um discurso marcado por críticas aos escândalos de corrupção e disse que para que haja mudança na política do país é necessário refundar a República. Como exemplos, mencionou o rompimento do atual modelo de presidencialismo de coalizão, a necessidade de reforma tributária e a redução do gasto público.

"O Brasil não pode ser um brinquedo entregue às mãos de aventureiros para ele brincar e aprender de governar", disse, sem especificar a quem ser referia.

Questionado sobre o fato de seu vice, o ex-presidente do BNDES Paulo Rabello de Castro (PSC), ter sido alvo de investigação por ilegalidades no Postalis, o candidato disse que as suspeitas já foram respondidas e que Castro é ficha limpa.

Sobre a aliança do Podemos com o PTC do ex-presidente Fernando Collor, que é réu na Lava Jato, Dias disse que isso não afeta seu discurso e que o senador não estará em seu palanque. 

"O partido é uma coisa, ele não. Não vamos misturar as coisas."

PROMESSAS

Na lista de promessas, o presidenciável falou em acabar com privilégios e reformar o Legislativo para reduzir o número de parlamentares tanto na esfera federal quanto municipal. Sem detalhar quais pastas sofreriam cortes, disse que reduzirá a estrutura dos atuais 29 ministérios para cerca de 15 se for eleito.

Ele afirmou que não distribuirá ministérios e agências reguladoras para partidos políticos.

Ao ser questionado sobre como fará governabilidade, disse acreditar que a vontade popular influenciará o voto de parlamentares.

"Primeiramente jogamos sobre a mesa as propostas de mudança e vamos conversar com a sociedade. Se conquistarmos o apoio popular vamos conquistar o apoio do Congresso."

Dias arrancou aplausos da plateia ao prometer criar um conselho consultivo para o setor da construção civil. Sobre o programa de habitação Minha Casa, Minha Vida —criado no governo do PT— o presidenciável disse se tratar de boa iniciativa, mas com problemas de gestão.

Ele prometeu ainda não tributar investimentos e nem exportação. De forma genérica, disse que reduzirá impostos e elogiou o modelo americano de tributação.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.