Descrição de chapéu Eleições 2018

Após mudanças políticas, Kátia Abreu enfrenta desdém dos ruralistas

Ex-líder do setor, senadora viu relações se romperem desde seu apoio a Dilma durante impeachment

Isabel Fleck Gustavo Uribe
São Paulo e Brasília

Na corrida presidencial de 2010, quando as candidatas ao Planalto Dilma Rousseff e Marina Silva decidiram não participar de sabatina na CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), a senadora Kátia Abreu, então presidente da entidade criticou o silêncio das presidenciáveis, que “confundia os eleitores”

Nesta quarta (29), foi a vez de Kátia e seu companheiro de chapa, o candidato Ciro Gomes (PDT), ignorarem o encontro promovido pela entidade que a senadora já comandou. Ciro, confirmado até a véspera, desistiu em apoio à sua vice, que hoje enfrenta a oposição de lideranças na CNA.

A senadora Kátia Abreu, candidata a vice na chapa de Ciro Gomes 
A senadora Kátia Abreu, candidata a vice na chapa de Ciro Gomes  - Adriano Machado - 16.ago.2018/ Reuters 

Nos últimos oito anos, Kátia, 56, foi de líder do setor ruralista, premiada com o troféu “Motosserra de Ouro” pelo Greenpeace, a fiel defensora de Dilma e integrante de uma chapa presidencial à esquerda. 

Em 2010, a então senadora do DEM pelo Tocantins chegou a ser cotada para integrar, como vice, a chapa de José Serra (PSDB) à Presidência.

Desde então, mudou três vezes de partido: do DEM para o PSD e para o PMDB (hoje MDB), do qual foi expulsa em novembro por ataques à sigla e ao presidente Michel Temer.

Filiou-se ao PDT em abril para disputar o governo do Tocantins numa eleição tampão dois meses depois. 
Ficou em quarto lugar, derrota atribuída por muitos à carta de apoio que ela recebeu do ex-presidente Lula, da prisão, durante a campanha.

Mas foi mesmo a posição de Kátia contra o impeachment de Dilma que levou o setor ruralista a romper com ela. Ministra da Agricultura no segundo mandato da petista, ela ficou ao lado da amiga quando a CNA apoiou sua saída.

“O setor não a reconhece mais como liderança. Ela perdeu a oportunidade de ter continuado como uma líder muito importante, não sei a troco de que”, diz Antonio Galvan, presidente da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso.

Segundo ele, se Ciro achou que atrairia votos do setor com Kátia como vice, a estratégia não funcionou. “Se ele tinha algum voto, acabou perdendo.”

O vice-presidente da CNA no Mato Grosso, Normando Corral, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do estado (Famato), concorda que, especialmente por ter ficado ao lado de Dilma, Kátia “não tem mais trânsito no setor”.

Turbilhão

“Ela entrou num turbilhão em que é difícil voltar às suas origens”, afirma o deputado Marcos Montes (PSD-MG), líder da bancada ruralista no Congresso quando Kátia se tornou ministra de Dilma.

Montes destaca que o problema não foi Kátia ter virado ministra de Dilma, já que, segundo ele, a senadora justificou ter aceito o convite para ser uma ponte entre o setor ruralista e o governo. “Era um argumento até forte”, diz. O que não deu para aceitar, diz, foi ela continuar ao lado da presidente em meio à crise. “Ela aderiu à amizade em detrimento do que o setor precisava.”

Correligionário de Kátia, o deputado Dagoberto Nogueira (PDT-MS), membro da bancada ruralista, foi o único consultado pela reportagem a dizer que a senadora ainda é “muito respeitada no agronegócio”.

A própria Kátia diz hoje que não pretende “ser amada ou idolatrada por nenhum setor”. 

“Não preciso de autorização ou documento para defender um setor que é tão importante para o país”, disse à Folha. “Naquela hora, eles [ruralistas] queriam que eu tivesse uma atitude ideológica, que eu abandonasse a Dilma mesmo sem ela merecer."

A amizade com a petista começou com uma carta escrita por Kátia quando ela soube que Dilma estava em tratamento contra um câncer, em 2009. “Eu tinha verdadeira antipatia ao time [PT]. E quando se descobriu que ela estava com um tumor, é como se tivesse levado uma pedra na testa”, conta.

Segundo a senadora, a sua equipe achou que Dilma nem iria ler a carta. “Ela se sensibilizou. Ela me ligou duas vezes, não se conformou com uma.”

As duas foram se aproximando e Kátia afirma que Dilma convidou-a para ser ministra em seu primeiro mandato. “Eu disse que não poderia, já que não tinha apoiado ela. Quando ela ganhou a eleição [em 2014], ela me convidou novamente e eu aceitei”, diz.

Dilma esteve ao seu lado no casamento, em 2015, com o engenheiro agrônomo Moisés Gomes, então seu assessor no ministério. Já Serra, apoiado por Kátia em 2010, ficou encharcado de vinho após chamá-la de “namoradeira” em um jantar em Brasília. 

'De centro'

Quando questionada sobre suas posições políticas, Kátia diz não ver diferença entre esquerda e direita. “Não tenho formação de pensar as coisas pelas óticas de direita ou de esquerda. Eu defendo o direito de propriedade e, ao mesmo tempo, me recuso a aceitar críticas ao Bolsa Família.”

Ela se define “de centro, uma pessoa humanista que se preocupa com o próximo” e uma “grande defensora do setor agropecuário”.

O ex-ministro do Trabalho Manoel Dias, um dos fundadores do PDT, defende que Kátia, nos últimos anos, “sofreu um processo de atualização”. 

“É uma mulher moderna que realmente entendeu a necessidade de haver uma aproximação, dentro daquilo que o nosso partido historicamente defende, entre capital e trabalho”, disse à Folha.

Para antigos desafetos, como os ambientalistas do Greenpeace, é difícil, no entanto, acreditar que Kátia mudou.

“Ela nunca retirou os projetos de lei dela, nunca deu uma declaração pública dizendo que muda de opinião com relação a agrotóxicos ou à lista do trabalho escravo, por exemplo”, diz Márcio Astrini, coordenador de Políticas Públicas do Greenpeace.

Um irmão de Kátia, Luiz Alfredo de Abreu, chegou a integrar a lista suja do trabalho escravo do Ministério do Trabalho. O nome foi retirado em outubro, por ordem judicial liminar da Justiça do Trabalho. 

A senadora diz que a inclusão de Luiz na lista foi injusta. “Não havia salário atrasado, ninguém declarou que não recebia e ninguém declarou que era escravidão”, afirma.

Psicóloga de formação, Kátia ficou viúva aos 25, quando estava grávida do terceiro filho. Assumiu a fazenda da família em Tocantins e criou sozinha os filhos, Irajá, Iratã e Iana, todos nomes indígenas —o que é, inclusive, um de seus argumentos para defender que nunca teve nada contra índios.

Nas redes sociais, mescla fotos dos filhos e netos com ataques a opositores: hoje, preferencialmente, Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência.

É o capitão reformado que tem hoje grande parte da simpatia dos ruralistas que Kátia perdeu.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.