Descrição de chapéu Pesquisas eleitorais

Doria e Skaf empatam em corrida para governo de SP, diz pesquisa

Candidatos ficam emparelhados também no 2º turno; para o Senado, Suplicy lidera

Artur Rodrigues
São Paulo

A corrida para o governo de São Paulo está empatada entre João Doria (PSDB) e Paulo Skaf (MDB), de acordo com pesquisa CNT (Confederação Nacional do Transporte)/MDA divulgada nesta quarta-feira (8). 

Doria tem 16,4% das intenções de voto, seguido por Skaf com 16,2%. Como a margem de erro é de 2,2%, ambos estão tecnicamente empatados. 

A pesquisa realizou 2.002 entrevistas, em 75 municípios de todas as regiões do estado, entre os dias 02 e 05 de agosto, com 95% de nível de confiança. O registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral)  é BR-05911/2018 e no TRE (Tribunal Regional Eleitoral), SP-04729/2018.

Márcio França (PSB) está em terceiro com 5%, empatado com Luiz Marinho (PT), com 4,8%. Atrás, vêm Lisete Arelaro (PSOL), com 2,8%. Os demais estão na casa de 1% ou não pontuaram. 

No segundo turno, Skaf (29,7%) levaria vantagem sobre Doria (26,8%), embora estejam tecnicamente empatados, segundo a pesquisa. Em cenários com França e Marinho no segundo turno, tanto o tucano quanto o emedemista venceriam com folga.

Para o Senado, Eduardo Suplicy (PT) segue bem na dianteira entre os candidatos de SP, com 24,2%. Atrás, viria Marta Suplicy (MDB), que anunciou que sairá da política e não concorrerá. 

Brigando pela segunda vaga, empatados tecnicamente, estão Mario Covas Neto (Podemos), com 12,9%, e Major Olímpio, com 11%. 

DISPUTA PRESIDENCIAL

A pesquisa para presidente abordou cenários com e sem a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O cenário sem Lula teria Jair Bolsonaro (PSL), com 18,9%, e Geraldo Alckmin (PSDB), com 15%, no estado.

Atrás, vêm  Marina Silva (Rede), com 8,4%; Fernando Haddad (PT), 8,3%; Ciro Gomes (PDT) 6%; e Álvaro Dias (Podemos), 1,8%.

O cenário com Lula traz o petista à frente (21,8%), seguido por Bolsonaro (18,4%) e Alckmin (14%). 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.