Em debate paralelo, Haddad exagera ao citar empregos criados pelos petistas

A Agência Lupa checou algumas frases do candidato a vice do PT

São Paulo

Enquanto oito candidatos à Presidência participavam do debate na Band, na última quinta (9), Fernando Haddad, vice na chapa do ex-presidente Lula, fazia o seu próprio evento, com participação da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e de Manuela D’Ávila (PC do B).

“Os governos do PT geraram 20 milhões de empregos”
Fernando Haddad, candidato a vice do PT
EXAGERADO
 Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, mostram que, durante os governos do PT, 14,1 milhões de empregos foram criados. O número é o resultado da soma dos empregos gerados entre o primeiro mês do governo Lula (janeiro de 2003) e o último mês completo do governo Dilma Rousseff (abril de 2016). Somente no governo Lula (de 2003 a 2010) houve um saldo de 11,3 milhões de empregos. Por telefone, Haddad disse que se referia aos três primeiros mandatos do PT —de janeiro de 2003 a dezembro de 2014. No período, o saldo foi de 16,1 milhões de empregos, segundo o Caged. Haddad alegou que o cadastro só conta empregos privados.

“90% dos deputados do MDB e do PSDB (...) aprovaram  as medidas do Temer”
Haddad
VERDADEIRO, MAS
 Na votação da PEC do Teto de Gastos Públicos, proposta pelo Executivo, 100% dos 46 deputados do PSDB e dos 64 do MDB que estavam na Câmara votaram a favor da medida. A proposta, que limitou por 20 anos as despesas do governo, foi aprovada na Câmara no dia 26 de outubro de 2016 e no Senado no dia 16 de dezembro de 2016. Mas na reforma trabalhista, o percentual foi menor entre os deputados do MDB: 86% dos 59 parlamentares que estavam na sessão do dia 26 de abril de 2017 votaram a favor da reforma. Já entre os tucanos, 98% dos 44 presentes foram favoráveis —apenas a catarinense Geovânia de Sá votou contra.

“[Lula] Foi o presidente que mais criou universidades” 
Haddad
VERDADEIRO
 Dados do Censo do Ensino Superior do Inep mostram que, durante a gestão de Lula (2003 a 2010), foram criadas 15 universidades federais. Durante a gestão de Fernando Henrique Cardoso (PSDB, 1995 a 2002), foram quatro, e no governo de Dilma Rousseff (PT, 2011 a 2016), cinco. Se contarmos o número total de universidades criadas, incluindo privadas, estaduais e municipais, Lula também fica na frente: 28, contra 27 no governo Fernando Henrique e 7 no governo Dilma.

“Tem vários ministros tucanos no governo”
Haddad
EXAGERADO
 Atualmente, apenas um ministério do governo Temer é chefiado por alguém do PSDB: o das Relações Exteriores, sob comando do senador licenciado Aloysio Nunes Ferreira. Ele ocupa vaga da cota pessoal do presidente. Aloysio e Luislinda Valois, que comandava a pasta dos Direitos Humanos, foram os únicos tucanos a permanecerem no governo depois que o PSDB se retirou da base, em dezembro de 2017. Luislinda foi demitida em fevereiro deste ano. O PSDB chegou a ocupar cinco ministérios: além dos citados, comandou também as pastas da Justiça e das Cidades e a Secretaria de Governo. Haddad disse que se referia aos tucanos que passaram pelo governo, e não à situação atual.

“[Alvaro Dias] aprovou no Congresso [o pacote de medidas proposto pelo governo]. Alvaro Dias votou tudo, então ele não pode nem falar do outro [Henrique Meirelles]”
Gleisi Hoffmann
EXAGERADO
 Alvaro Dias, senador pelo Paraná, votou favoravelmente apenas à PEC do Teto dos Gastos Públicos, aprovada no Senado em dezembro de 2016. Em setembro do ano passado, Dias foi contra a reforma trabalhista —também aprovada pelo Senado. Em sabatina na GloboNews, no último dia 30 de julho, ele declarou que foi um voto de protesto, porque sabia que a reforma seria aprovada. Procurada, Gleisi Hoffmann não respondeu. 

Verdadeiro A informação está correta.  Verdadeiro, mas A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações  Exagerado Está no caminho correto, mas houve exagero.

Chico Marés , Leandro Resende e Nathália Afonso Agência Lupa
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.