Descrição de chapéu Otavio Frias Filho

Otavio Frias Filho: Ecos do Muro

Texto publicado originalmente em 11 de novembro de 1999

Otavio Frias Filho

O texto 'Ecos do Muro' foi publicado originalmente em 11 de novembro de 1999 na seção Opinião.

 

Dez anos depois, a queda do Muro de Berlim continua a produzir conseqüências que vão muito além do simbolismo festivo que cerca a data. Na época, a derrubada causou júbilo praticamente universal: caía o mais visível dos símbolos odiosos de um regime baseado na violência, no medo, no espezinhamento de direitos elementares.

Mesmo no âmbito do pensamento de esquerda, a reação foi de otimismo. Esperava-se que as reformas conduzidas por Gorbatchov e estimuladas pelas insurreições espontâneas que pipocavam em todo o Leste desaguassem numa renovação do socialismo. As mudanças permitiriam reconciliar igualdade e liberdade.

Homem desfere marteladas no muro após a abertura da fronteira entre Berlim Ocidental e Oriental em 1989
Homem desfere marteladas no muro após a abertura da fronteira entre Berlim Ocidental e Oriental em 1989 - John Gaps III - nov.1989/AP Photo

​Foram poucos os que perceberam, então, o que hoje parece óbvio, ou seja, que as mudanças não apontavam em direção a um futuro utópico. Seu real sentido, oculto sob a névoa da retórica libertária, não era tanto de renovação quanto de restauração de um sistema —o capitalismo— que o Estado comunista havia "superado".

Conforme o socialismo "real" desmanchava, ficava patente o quanto havia de enganoso em suas celebradas conquistas, apoiadas num artificialismo econômico, quando não em pura mentira. Tudo o que a revista "Seleções" dizia não era só propaganda anticomunista, mas correspondia à cinzenta realidade acobertada pelo Muro.

O entusiasmo da esquerda logo cedeu lugar ao desconforto à medida que todo o discurso sobre a queda do Muro era convertido, por seus adversários, em pregação neoliberal. Passados dez anos, o fato é que as forças de esquerda continuam aturdidas, incapazes, até agora, de organizar alternativas à ordem capitalista triunfante.

Os Estados Unidos se transformaram na Roma contemporânea. O colapso da União Soviética minou a resistência dos países islâmicos —e do Terceiro Mundo em geral— ao predomínio americano, credenciando a China como embrião de um novo pólo de poder, que ela deverá ocupar na dicotomia geopolítica ainda em gestação.

O vácuo deixado pelo bloco socialista, que servia, com todas as suas mazelas, de contrapeso ao modelo ocidental, está na base da derrubada de proteções e garantias que levou à furiosa liberação de mercados. O que chamamos de globalização é um eufemismo para designar o processo simbolizado pela queda do Muro.

Menos espetaculares que os efeitos geopolíticos ou econômicos, as consequências na esfera cultural nem por isso têm sido menos marcantes. Toda sociedade repousa sobre o egoísmo humano, componente mais ou menos inelástico da nossa condição. Nunca como agora, porém, esse aspecto foi considerado tão "natural".

A prevalência absoluta de valores materiais, o surgimento de um narcisismo aquisitivo e ostentatório, a conquista da cultura pela técnica e de toda a civilização pelos critérios de mercado -tudo faz parte de uma mesma cadeia de causalidades, como se disséssemos, parodiando Dostoiévski, que se não existe socialismo então tudo é permitido.

Otavio Frias Filho
Otavio Frias Filho

Diretor de Redação

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.