Professor tem que trabalhar por amor? Alckmin não disse isto

Frase tem sido atribuída ao presidenciável do PSDB

São Paulo

A frase "Quem quiser dar aula, faça isso por gosto, e não pelo salário. Se quiser ganhar melhor, pede demissão e vá para o ensino privado" vem sendo atribuída a Geraldo Alckmin em sites e em redes sociais, mas não há qualquer registro de que o candidato do PSDB à Presidência da República a tenha proferido em algum momento.

Alckmin não é a primeira vítima desse boato. Pelo que o projeto Comprova, coalizão de 24 organizações de mídia brasileiras, dentre elas a Folha, que visa identificar, checar e combater rumores, manipulações e notícias falsas sobre as eleições de 2018, verificou, a frase foi originalmente atribuída ao então governador do Ceará Cid Gomes no final de agosto de 2011, quando o estado enfrentava uma greve dos professores.

Geraldo Alckmin, presidenciável do PSDB, durante o seminário GovTech, em São Paulo - Paulo Whitaker/Reuters

Embora não se tenha encontrado um registro da frase original que teria sido dita por Cid Gomes, parte de uma entrevista sua, concedida em 2011, está gravada. Nela, ele cita professores, policiais, médicos e detentores de cargos eletivos e diz que a atividade pública deve ser exercida "por amor, não por dinheiro".

O caso repercutiu e até outdoors foram colocados em Fortaleza, capital cearense, ironizando a declaração.

Quando assumiu o Ministério de Educação em janeiro de 2015, o irmão do candidato à presidência Ciro Gomes (PDT) negou a autoria da frase.

Nos últimos dias, uma imagem que atribui a declaração a Geraldo Alckmin ganhou força nas redes sociais e teve maior impulso no Facebook no dia 23 de julho —mais de 9,1 mil pessoas já compartilharam o publicação na rede social. A imagem foi enviada ao WhatsApp [11 97795-0022] do Comprova para ser checada.

O site Boatos.org já havia desmentido essa informação anteriormente.

MANUAL PARA NÃO PROPAGAR FAKE NEWS

Busque a fonte original;

Faça uma busca na internet: muitos casos já foram desmentidos;

Cheque a data: a "novidade" pode ser antiga;

Leia a notícia inteira;

Cheque o histórico de quem publicou;

Se a notícia não tem fonte, não repasse.

Participaram da apuração deste texto os veículos Poder 360, O Povo e Gazeta Online, que integram o Comprova, projeto que visa identificar, checar e combater rumores, manipulações e notícias falsas sobre as eleições de 2018. É possível sugerir checagens pelo WhatsApp da iniciativa, no número (11) 97795-0022.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.