Descrição de chapéu Eleições 2018

Proposta para Marina Silva ter Eduardo Jorge como vice avança na Rede e no PV

Acordo pode ser fechado nas próximas horas, mas falta contornar resistências no Partido Verde

Joelmir Tavares
São Paulo

Reunidos na manhã desta quinta-feira (2) em São Paulo, dirigentes da Rede e do PV (Partido Verde) avançaram na proposta de que o ex-deputado Eduardo Jorge seja o candidato a vice na chapa da ex-senadora Marina Silva. O acordo pode ser fechado nas próximas horas.

Bazileu Margarido, Eduardo Jorge, Pedro Ivo Batista e Penna na reunião da Rede com o PV sobre o apoio do PV a Marina Silva
Bazileu Margarido (Rede), Eduardo Jorge (PV), Pedro Ivo Batista (Rede) e Penna (PV) na reunião desta quinta (2) sobre o apoio do PV a Marina Silva - Divulgação

A Rede, partido da presidenciável, ofereceu a vaga aos verdes no fim de semana. Eduardo defendeu na convenção do PV o apoio a ela e disse estar disposto a ocupar o posto, caso as duas siglas concordem. Ele é o preferido de ambos os lados para a missão.

"Falta uma aprovação formal, mas, no grupo de WhatsApp que temos, a grande maioria [dos que decidirão], cerca de 70%, já disse estar de acordo", afirmou uma das integrantes da executiva nacional do PV, Carla Piranda. Oficialmente, o partido disse que o compromisso não está sacramentado.

Eduardo participou do encontro nesta quinta, ao lado do presidente nacional do PV, José Luiz Penna, e de Marcos Belisário, também da direção da legenda. Pela Rede estiveram os dois principais articuladores políticos de Marina, Pedro Ivo Batista e Bazileu Margarido.

"O assunto vai ser levado para as respectivas direções antes de ser anunciado qualquer acordo", disse Eduardo à Folha após a reunião. "Torço muito para que dê certo. Se não der, de qualquer maneira apoiarei a candidatura de Marina", afirmou ele, que é candidato a deputado estadual em São Paulo.

O maior desejo no grupo da ex-senadora é que o PV consiga chegar a um acordo a tempo de Eduardo ser anunciado na convenção que lançará a candidatura de Marina, neste sábado (4), em Brasília. A decisão sobre vice tem que ser tomada até a próxima segunda-feira (6).

O principal entrave é que o PV fechou alianças nos estados que dificultam a composição com a Rede no plano nacional. Por causa dos acordos locais, diretórios já haviam se comprometido a apoiar candidatos a governador que a Rede não endossa e que estão ligados a outros presidenciáveis.

A posição oficial do partido, hoje, é adotar a neutralidade na corrida ao Planalto. Setores da legenda vêm defendendo que essa postura seja mantida, para não sacrificar campanhas regionais. Outra ala prega que os estados sejam liberados para seguir com alianças já consolidadas.

Reservadamente, dirigentes do PV dizem que o convite da Rede chegou tarde. Se a aliança estivesse sendo discutida há mais tempo, seria maior a chance de a coligação ter avançado sem sobressaltos. É consenso que as duas legendas têm identidade nos programas e podem se fortalecer mutuamente.

A presidenciável disse, em transmissão via redes sociais na tarde desta quinta, que o diálogo com o PV está avançado e que Eduardo foi um nome sugerido por ela. "A gente busca uma pessoa que seja complementar para ajudar a ampliar o alcance da nossa proposta. E ele tem esse perfil complementar", afirmou ela.

A ex-senadora falou que "se Deus quiser" a chapa já estará fechada na convenção.

​Marina não tem nenhuma aliança nacional fechada, mas vinha conversando com siglas como PHS e Pros, que tinham intenção de indicar o vice. Sem uma sinalização concreta da Rede sobre a vaga, as negociações acabaram esfriando. O PHS se aproximou do MBD e o Pros, do PT.

Para tomar a decisão final sobre o apoio a Marina, o PV diz que precisa convocar sua executiva nacional. A tarefa, no entanto, esbarraria na dificuldade de reunir os dirigentes de imediato, em meio às convenções estaduais para homologar candidaturas. Uma das alternativas avaliadas é fazer a discussão virtualmente.

O médico sanitarista Eduardo Jorge, que em 2014 foi candidato à Presidência pelo Partido Verde, afirmou nesta semana que "não tem lógica que dois partidos tão semelhantes fiquem separados numa situação [do país] tão complicada".

Ele recentemente se reuniu pela primeira vez com Marina desde a saída dela do PV, em 2011. Ela concorreu à Presidência pela sigla em 2010.

Se o acordo com o PV não for fechado, a hipótese mais provável é que Marina forme uma chapa pura. Os nomes mais cotados na Rede são o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, e o economista Ricardo Paes de Barros, que a auxilia na formulação do plano de governo.

Outro nome proposto, o do ator Marcos Palmeira, subiu no telhado. Ele disse à Folha na segunda-feira (30) que "não é o momento" de se candidatar, mas que seguirá apoiando a ex-senadora.

As lideranças do PV e da Rede acordaram também que, mesmo que a coligação não seja formalizada, será necessário formar um bloco quando passar a eleição. A proposta é que as siglas, que se empenham para eleger candidatos e ultrapassar a cláusula de barreira, mantenham diálogo sobretudo no Congresso Nacional.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.