Descrição de chapéu Eleições 2018

Se Justiça vetar Lula, jogo está jogado com Haddad, diz Jaques

Ex-governador defende que vice petista circule em campanha e vá a debates

Marina Dias Bruno Boghossian
Brasília

No dia do registro da candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva ao Planalto, o ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT) afirmou que, se a Justiça Eleitoral barrar o direito de o ex-presidente concorrer em outubro, “o jogo está jogado” com Fernando Haddad como plano B.

“Se não conseguir o registro [de Lula], me parece que o jogo está jogado. Se a Justiça interditar, o natural é Haddad assumir”, disse Jaques nesta quarta-feira (15) ao chegar à sede do PT em Brasília.

O partido vai registrar no fim desta tarde o nome do ex-presidente como candidato ao Planalto, com Haddad na vice. A expectativa dos próprios petistas é de que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) declare Lula inelegível até o início de setembro e, a partir daí, Haddad assumiria a cabeça de chapa, com Manuela D’Ávila (PCdoB) como vice.

Jaques era o favorito de Lula e de parte do PT para substituir o ex-presidente na urna, mas declinou da missão.

Ele disse ainda que explicou a Lula seus motivos para não aceitar ser o candidato o plano B do PT ao Planalto e que o ex-presidente entendeu todos eles.

“Não sei se Lula preferia a mim. Ele é muito prático. A gente conversou e ele entendeu”, disse Jaques. “Legalmente poderia [substituir Lula], intimamente, não poderia”, completou.

Perguntado sobre a possibilidade de ainda assumir o posto de candidato, o ex-governador disse que “agradece aos que torcem” por ele dentro do PT, mas “estão enganados” aqueles que ainda nutrem alguma expectativa sobre ele.

Jaques, que vai concorrer a uma vaga ao Senado pela Bahia, é um dos que defende a maior exposição possível para Haddad.

“Tem que expor Haddad como vice. Vi alguém comentando que era ruim ele circular, mas ele é vice, foi colocado para circular e ir aos debates defendendo o programa de governo. Por isso acho que foi apropriado o nome dele, porque ele é o coordenador do programa de governo”, concluiu.

Parte da cúpula do PT quer retardar a exposição do ex-prefeito, com medo que sua campanha na rua naturalize a ideia, já corrente, de que Lula não será o candidato de fato.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.