Descrição de chapéu Eleições 2018

'Sou a liderança, mas não sou a dona da Rede', diz Marina Silva

Crítica da 'velha política', pré-candidata afirma não ver incoerência em formar alianças

São Paulo e Brasília

A pré-candidata da Rede à Presidência da República, Marina Silva, não vê "incoerência nenhuma" em formar alianças que contradizem as orientações das coligações na campanha presidencial da sigla. Em seus discursos, a candidata critica o que chama de "velha política", apesar de seu partido estar junto a legendas como DEM e PSC. 

"É aquele princípio que estabelecemos na Rede de que os estados têm autonomia”, afirmou. "Eu tenho que ser coerente com aquilo que eu defendo. Um partido que tenha a sua autonomia nos estados, que tenha as suas direções." Nesta terça (31), Marina foi a segunda entrevistada do Central das Eleições, programa da GloboNews.

Marina disse que está sendo criteriosa com suas alianças, mas que não é a única a tomar as decisões da legenda. "Eu não sou a dona da Rede. Sou a liderança, mas não sou a dona. Dou a minha opinião. Se sou ouvida, ótimo. E muitas vezes eu sou."

Durante a entrevista, a pré-candidata confirmou que no Rio de Janeiro defendia a candidatura do deputado Miro Teixeira (Rede) a governador, mas ele preferiu fechar uma aliança com a chapa do pré-candidato Romário (Podemos-RJ) e disputar o Senado. "Eu respeito a decisão dele."

Como revelado pela Folha, o acordo entre a Rede e o Podemos foi feito contrariando o desejo da presidenciável. Ela tem uma aproximação maior com o pré-candidato Rubem César (PPS), fundador da ONG Viva Rio, mas a candidatura do antropólogo perdeu força com as movimentações nacionais.

EDUARDO JORGE

Ainda sem vice, Marina afirmou que está dialogando com PV, do médico sanitarista Eduardo Jorge, que em 2014 foi candidato à Presidência pela legenda —quatro anos antes, em 2010, Marina disputou a corrida eleitoral pela sigla. O convite para que o PV indicasse o nome do vice foi feito neste sábado (28)

À Folha Eduardo Jorge afirmou, nesta terça (31), que deve aceitar ser vice de Marina, se essa for a decisão do PV. "Mas, por enquanto, eu sou pré-candidato a deputado estadual [em São Paulo]", disse. 

"Não tem lógica que dois partidos tão semelhantes fiquem separados numa situação [do país] tão complicada. A minha posição, neste tempo todo, é que nós, do PV, deveríamos dar um apoio incondicional [a Marina]. Incondicional. Nós vamos apoiar a Rede e a Marina porque ela é a melhor e porque tem o programa mais próximo do nosso." 

A decisão do PV deve ser apresentada ainda nesta semana. 

PROPOSTAS

Sem citar nomes, a ex-senadora disse que há candidatos fazendo a bravata de que o cidadão deve estar com arma na mão para defender sua propriedade, sua família e seus bens. "Acho que as pessoas [eleitores] vão começar a pensar."

Jair Bolsonaro, presidenciável do PSL, é um dos principais defensores do porte de armas. Uma de suas marcas é o gesto de uma arma empunhada. Há alguns dias, Bolsonaro pegou uma criança no colo e a ensinou a simular um revólver com as mãos. A atitude foi criticada por presidenciáveis, entre eles Marina.

"Você vai eleger um presidente da República para você dizer para o cidadão: ‘Agora defenda-se você com a sua família’? Isso não é razoável", disse Marina durante a entrevista na GloboNews.

Sobre temas como reformas da Previdência e trabalhista, nos quais ela diz ser necessário haver revisões, a presidenciável se esquivou de detalhar as posições que defende. Ela repetiu várias vezes que se deve "fazer o debate", mas evitou externar suas opiniões. "Eu não sou autoritária. Eu quero debater", justificou.

Marina também defendeu que o funcionário público dê sua cota de contribuição no reequilíbrio das contas do governo. "No contexto de olhar todos os privilégios, eu terei uma posição de olhar o reajuste dos servidores. Vou cortar privilégios, sim", afirmou.

"Sempre se pega o funcionário público como se ele fosse o bode expiatório, mas eu quero fazer o debate pegando todos os privilégios. Os servidores públicos devem também fazer seu sacrifício, dentro do conjunto da obra, olhando para todos. Agora, isoladamente, aí fica injusto."

Joelmir Tavares, Sarah Mota Resende e Angela Boldrini

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.