Descri√ß√£o de chap√©u Pesquisas eleitorais Elei√ß√Ķes 2018

Agora candidato ao Planalto, Haddad cresceu 19 pontos entre eleitores petistas

Pesquisa Datafolha mostra que ex-prefeito tem 30% de apoio entre o grupo, mas 9% no universo total

Isabel Fleck
S√£o Paulo

Oficializado como candidato do PT √† Presid√™ncia nesta ter√ßa-feira (11), Fernando Haddad j√° tinha registrado nas √ļltimas tr√™s semanas um crescimento de 19 pontos percentuais entre os eleitores que dizem ter prefer√™ncia pelo PT, segundo a √ļltima pesquisa Datafolha.

Agora, entre os que preferem o PT, 30% declaram inten√ß√£o de voto no ex-prefeito de S√£o Paulo. A pesquisa foi realizada na √ļltima segunda-feira (10), em parceria com a TV Globo, com 2.804 eleitores de 197 munic√≠pios. 

No levantamento feito entre os dias 20 e 21 de agosto, Lula ainda aparecia em um dos cen√°rios. No que o ex-presidente era substitu√≠do pelo ent√£o candidato a vice, Haddad tinha 11% das inten√ß√Ķes entre os eleitores petistas, atr√°s de advers√°rios como Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT). Agora, Haddad lidera entre os apoiadores da legenda.

O real potencial de transfer√™ncia dos votos de Lula, que chegou a registrar 39% das inten√ß√Ķes na pesquisa anterior, para Haddad √© uma das grandes d√ļvidas desta elei√ß√£o. O ex-presidente, preso em Curitiba por lavagem de dinheiro e corrup√ß√£o, teve sua candidatura barrada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) no in√≠cio do m√™s. 

Entre os petistas, 76% disseram que votariam ‚Äúcom certeza‚ÄĚ em um candidato indicado pelo ex-presidente e 16% que ‚Äútalvez‚ÄĚ o fizessem. Em agosto, o primeiro √≠ndice era de 65% e o segundo, 21%.

Entre todos os eleitores, o ex-prefeito cresceu bem menos: de 4% para 9%, empatando no segundo lugar ‚ÄĒ dentro da margem de erro de dois pontos para mais ou para menos‚ÄĒ com Ciro, Marina e Geraldo Alckmin (PSDB).

Ciro também cresceu entre os eleitores petistas, de 14% em agosto para 18% agora. A diferença, no entanto, está na margem de erro. Marina, por sua vez, despencou entre os apoiadores do PT. Ela, que liderava o grupo em cenário sem Lula em agosto, com 19%, agora tem apenas 10%.

A candidata da Rede tem uma das maiores rejei√ß√Ķes hoje entre os petistas: 26%, tecnicamente empatada com Alckmin, com 25%. Entre o grupo, 66% disseram que nunca votariam no candidato do PSL, Jair Bolsonaro.

Os eleitores que dizem ter o PT como partido de prefer√™ncia , no entanto, est√£o entre os menos fi√©is no voto at√© agora. Segundo a pesquisa, 54% deles se disseram ‚Äútotalmente decididos a votar‚ÄĚ no candidato que apontaram no levantamento, enquanto 46% afirmaram que poderiam mudar de ideia at√© 7 de outubro.

Coment√°rios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.