Descrição de chapéu Eleições 2018

Atos de mulheres contra Bolsonaro reúnem milhares em mais de 30 cidades

Manifestações contra candidato relacionaram deputado a atitudes machistas e misóginas

São Paulo , Rio de Janeiro e Brasília

Protestos de rua contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL) reuniram milhares de pessoas pelo país neste sábado (29), após a difusão do mote "#EleNão" nos últimos dias em redes sociais. Foram registrados atos em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Recife, Salvador e Porto Alegre, além de pelo menos outras 30 cidades no Brasil.

As manifestações foram convocadas por mulheres e também reuniram homens. Participantes empunharam cartazes e entoaram paródias com letras críticas ao político, relacionando-o a atitudes consideradas machistas, misóginas, homofóbicas e racistas. Movimentos sociais, grupos feministas e partidos também se engajaram nas mobilizações.

Ato contra o candidato a Presidência do PSL, Jair Bolsonaro, no largo da Batata, em São Paulo, neste sábado (29) - Eduardo Anizelli/ Folhapress

Pelo mundo, houve protestos anti-Bolsonaro em Berlim (Alemanha), Buenos Aires (Argentina), Paris (França), Londres (Inglaterra), Lisboa (Portugal), Nova York (EUA), Washington (EUA) e Barcelona (Espanha).

Os presidenciáveis Marina Silva (Rede), Vera Lúcia (PSTU) e Guilherme Boulos (PSOL) estiveram na concentração do largo da Batata (zona oeste da capital paulista).​ Candidatas a vice, Manuela D’Ávila (PC do B), da chapa de Fernando Haddad (PT); Kátia Abreu (PDT), da candidatura de Ciro Gomes (PDT); e Sonia Guajajara (PSOL), vice de Boulos, também compareceram. Os candidatos falaram com jornalistas no local e tiraram fotos com eleitores.

A Polícia Militar não divulgou estimativa do número total de pessoas no evento da capital paulista. Em Brasília, foram 7.000 manifestantes, segundo a PM; organizadores falaram em até 40 mil.

Até a conclusão deste texto, não havia sido registrado nenhum incidente grave nas cidades com atos. No Rio, ao fim do protesto, a reportagem presenciou a discussão de um homem que se desentendeu com um grupo de manifestantes. Ele precisou ser contido.

O presidenciável do PSL foi chamado de "coiso", "inominável" e "sete peles" em discursos em um carro de som na capital fluminense. "Ele prega o ódio. Nós pregamos o respeito. Ele defende a morte e a tortura. Nós defendemos a vida. Bolsonaro nunca. Nem os filhos", afirmava um texto lido em jogral na Cinelândia.

Dois filhos do presidenciável que disputam vagas no Legislativo nesta eleição —Flávio Bolsonaro (PSL), no Rio, e Eduardo Bolsonaro (PSL), em São Paulo— também se tornaram alvo de críticas.

Nas ruas, as expressões “Ele não” e “Mulheres contra Bolsonaro” apareceram em camisetas, pintadas no corpo de manifestantes e em gritos. O roxo, cor escolhida para representar o ato, também podia ser visto em roupas, estandartes e faixas, junto a reivindicações de tolerância, respeito e amor. O mote "Mulheres contra Bolsonaro" era frequente.

A professora Madalena Peixoto, 65, disse participar da manifestação em São Paulo para "impedir que a ditadura volte". Na opinião dela, o presidenciável é "fascista, machista e a favor da cultura do estupro".

Depois da concentração no largo da Batata, em Pinheiros, participantes andaram até a avenida Paulista.

Artistas como os atores Renata Sorrah, Débora Falabella, Caco Ciocler e Camila Pitanga, o músico Arnaldo Antunes e a apresentadora Fernanda Lima. Parte deles aderiu à campanha em seus perfis de redes sociais ao longo de setembro. A cantora Daniela Mercury cantou em um trio elétrico na manifestação em Salvador.

Celebridades internacionais como Madonna, Cher, Dua Lipa e Dan Reynolds também se engajaram na hashtag #EleNão nos últimos dias.

​Bolsonaro é o líder das intenções de voto, com 28% das preferências na mais recente pesquisa Datafolha, de sexta-feira (28). O segundo colocado é Fernando Haddad (PT), com 22%. No segundo turno, porém, o capitão reformado seria derrotado em todos os cenários simulados.

Apesar da presença de lideranças nos atos contra o deputado, a ordem era dar ao movimento um caráter apartidário. Em São Paulo, manifestantes que receberam adesivos da candidata a deputada federal Sâmia Bonfim (PSOL) rasgaram a parte com o nome da atual vereadora paulistana e deixaram à mostra só o termo "ele não".

Em Brasília, menções a "Lula livre" e a "Haddad é Lula" foram ouvidas no protesto.

Em resposta ao movimento, também houve, em menor quantidade, atos de apoiadores do deputado federal, que deixou o hospital neste sábado após 23 dias internado.

Um deles, na praia de Copacabana, no Rio, foi organizado pela ex-militante feminista Sara Winter, que foi ativista do Femen e hoje é candidata a deputada federal no estado. Participantes vestiam camisas nas cores verdes e amarelas com o rosto de Bolsonaro.

Outros eventos em defesa do político também estão sendo marcados em redes sociais para este domingo (30), inclusive um encontro na avenida Paulista.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.