Descrição de chapéu Eleições 2018

Bolsonaro recebe alta e deixa hospital em São Paulo

Presidenciável ficou internado por 23 dias após ter sido esfaqueado durante campanha

Guilherme Seto Joana Cunha Cláudia Collucci Talita Fernandes Lucas Vettorazzo
São Paulo , Brasília e Rio de Janeiro

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, deixou o hospital Albert Einstein, em São Paulo, neste sábado (29). Ele recebeu alta às 10h, segundo boletim médico divulgado nesta tarde. Não foram informados detalhes do estado de saúde. 

O presidenciável deixou o hospital pouco antes das 14h e viajou ao Rio de Janeiro, em voo comercial. Ele mora em um condomínio na Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade.

Jair Bolsonaro acena de dentro de avião comercial para o Rio, para onde foi após receber alta neste sábado (29)
Jair Bolsonaro acena de dentro de avião comercial para o Rio, para onde foi após receber alta neste sábado (29) - Leonardo Benassatto/Reuters

Além dos jornalistas, parentes de pacientes internados se aglomeraram na porta da recepção com câmeras de celulares para tentar fotografar o candidato, mas ele usou uma saída lateral e deixou o hospital de carro, sem falar com os apoiadores e os jornalistas. 

Ao chegar ao aeroporto de Congonhas, na capital paulista, foi recebido por um grupo de cerca de 30 apoiadores com camisetas e bandeiras com o seu rosto estampado.

O candidato estava dentro de um carro escoltado por motos e caminhonetes da PM e mais uma vez não parou para fotos ou para falar com o público. Ele embarcou por um portão reservado para oficiais.

Ainda no hospital, o deputado federal Major Olímpio, candidato ao Senado e coordenador da campanha em São Paulo, e Gustavo Bebianno, presidente do PSL, falaram à imprensa sobre a liberação do candidato. 

Olímpio disse que Bolsonaro está pronto para voltar a fazer campanha, mas Bebianno fez ressalvas. 

"Obviamente ainda há uma convalescença que permanece pelos próximos 15 dias", disse Bebianno a jornalistas na porta do hospital.

Segundo ele, Bolsonaro não terá condições de ir às ruas para fazer campanha, apesar da "recuperação espantosa". Não haverá campanha de rua com corpo a corpo.

Jair Bolsonaro deixa hospital em São Paulo
Jair Bolsonaro deixa hospital em São Paulo - Marcelo Chello/CJPress/Folhapress

Já Olímpio afirmou que a participação do candidato no debate da Globo, na próxima quinta (4), vai depender das orientações dos médicos. Por enquanto, a recomendação é que ele passe dez dias sem sair de casa. 

Bolsonaro ficou internado no Einstein por 23 dias —a entrada foi no dia 7 de setembro, após ter sido transferido de Juiz de Fora (MG) quando recebeu uma facada durante ato de campanha em Juiz de Fora, em Minas Gerais.

Após a facada, Bolsonaro passou por duas cirurgias: uma para corrigir os danos causados pelo ataque e outra para a retirada de aderências que obstruíam o intestino delgado.

Boletim divulgado na sexta (28) informava que uma infecção estava sendo controlada e que Bolsonaro estava sem febres e sem alterações nos exames, com boa recuperação.

"Persiste com alimentação por via oral e, mantidas as condições clínicas atuais, há programação de alta para este final de semana", afirmaram os médicos. 

Próximos dias

Durante o trajeto, Bolsonaro não parou para falar com a imprensa nem com apoiadores —ele embarcou por um portão reservado para oficiais.

Grupos se reuniram para recebê-lo nos aeroportos de Congonhas e Santos Dumont e também na região da casa dele, na Barra da Tijuca, mas ele não apareceu para cumprimentá-los.

À noite, cerca de cem apoiadores com bandeiras do Brasil e caixas de som continuavam em frente ao condomínio do candidato e impediram, com gritos e provocações, que ao menos duas equipes de TV fizessem a transmissão do ato.

Pelo país também houve atos em apoio ao candidato, que já estavam marcados em resposta ao movimento #EleNão.

Um deles, na praia de Copacabana, no Rio, foi organizado pela ex-militante feminista Sara Winter, que foi ativista do Femen e hoje é candidata a deputada federal. Participantes vestiam camisas nas cores verde e amarelo com o rosto de Bolsonaro.

Outros eventos em defesa do político também estão sendo marcados em redes sociais para este domingo (30), inclusive um encontro na avenida Paulista. 

Bolsonaro foi esfaqueado em 6 de setembro por Adélio Bispo de Oliveira, que está preso no presídio federal de Campo Grande (MS). O inquérito que apurou o crime foi concluído na sexta-feira (28) e apontou que Oliveira agiu movido por "inconformismo político", em razão de "discordar de algumas opiniões políticas e alguns discursos" de Bolsonaro.

Foi descartada a participação de outras pessoas. O autor do ataque foi indiciado por crime previsto na LSN (Lei de Segurança Nacional), que prevê pena de seis a 20 anos de reclusão.

Apesar da liberação, Bolsonaro deve permanecer em casa por pelo menos dez dias, seguindo orientação médica.

Durante a internação ele passou por duas cirurgias: uma para corrigir os danos causados pela facada, que atingiu o abdômen, e outra para a retirada de aderências que obstruíam o intestino delgado.

Ainda está prevista uma terceira, para retirar a colostomia (bolsa coletora de fezes). O procedimento, porém deve acontecer após o segundo turno, a depender da recuperação do candidato. Segundo médicos, é muito comum esperar entre dois e seis meses para fazer a reconstituição por causa do risco de infecção.

Durante esse tempo, Bolsonaro continuará com uma bolsa plástica de 500 ml.

A cirurgia de reversão consiste em emendar a parte do intestino que estava conectada à bolsa coletora de fezes à outra que ficou fechada dentro do abdômen, reconstituindo o trânsito intestinal. O procedimento, quando feito de forma programada e com o paciente em boas condições de saúde, tem baixos riscos.

Na literatura médica, são apontados como eventuais problemas fístulas (abertura da emenda) ou de obstruções (fechamento da área da emenda).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.