Descrição de chapéu Folha Informações

Divergência de número de membros de grupo anti-Bolsonaro gera polêmica nas redes sociais

Pessoas dizem ter sido adicionadas sem permissão e diferença de integrantes chega a 400 mil

Amanda Lemos
São Paulo

​Um grupo no Facebook criado para reunir mulheres que são contra Jair Bolsonaro (PSL) –que tem 49% de rejeição pelas mulheres, segundo o Datafolha– teria atingido mais de 1 milhão de integrantes, na madrugada desta quarta (12). No entanto, leitores começaram a questionar se o número de integrantes era verdadeiro.

“Mulheres unidas contra Bolsonaro!!!” foi criado por um grupo que é contra o avanço e o fortalecimento "do machismo, misoginia e outros tipos de preconceitos representados pelo candidato Jair Bolsonaro e seus eleitores”, diz a descrição da página.

Pessoas dizem ter sido adicionadas sem permissão e diferença de integrantes chega a 400 mil
Quem já está dentro do grupo, que é fechado, vê que ele possui 1,2 milhão de mulheres - Reprodução

As organizadoras dizem que a iniciativa é apartidária e não está alinhada a nenhuma ideologia. No grupo, mulheres discutem política e organizam manifestações.

Para quem não é membro do grupo, aparece um valor inferior: eram 670 mil até a publicação da reportagem. Quem já está dentro do grupo, que é fechado, vê que ele possui 1,2 milhão de mulheres.

Segundo o porta-voz do Facebook, o valor correto é o que aparece para não membros, ou seja, 670 mil. O 1,2 milhão corresponde ao número total de pessoas convidadas, incluindo as que participam do grupo e as que estão passando por processo de aprovação pela moderação ou que ainda não optaram por participar ou não.

Pessoas dizem ter sido adicionadas sem permissão e diferença de integrantes chega a 400 mil
Para quem não é membro do grupo, aparece um valor inferior: eram 670 mil até a publicação da reportagem - Reprodução

“O número que as pessoas que estão no grupo enxergam contempla tanto as pessoas que fazem parte quanto as que foram apenas convidadas e não receberam o ‘ok’ das administradoras e as que ainda não optaram por participar”, disse o porta-voz do Facebook.

Lara Callegari, responsável pela comunicação do grupo, afirma que não são especialistas no assunto e esses números divergentes são questões que concernem ao Facebook.

Por ser um grupo fechado, todo membro precisa responder um questionário e ler as regras do grupo para ser aceito por uma das 10 administradoras e 84 moderadoras.

"Após uma demanda de mais de 100 mil mulheres por minuto, se tornou inviável que nossas moderadoras aceitassem uma a uma", diz Lara Callegari. 

Mulheres relatam que estão sendo adicionadas mesmo sem responder o questionário estipulado pelas organizadoras. Outras dizem que, mesmo respondendo algo que não tem a ver com a pergunta, são aceitas.

Lara afirma que disponibilizar a opção de membras convidarem outras participantes é o mais democrático. "No entanto, não podemos nos responsabilizar pelos convites de terceiras ou por pessoas que deliberadamente estão tentando se infiltrar no grupo com único objetivo de criar discórdia", diz.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.