Eleitores de Marina são os que menos sabem o número da própria candidata

Segundo Datafolha, 85% dos que escolheriam a ex-senadora dizem desconhecer como votar nela

São Paulo

Os eleitores de Marina Silva (Rede) são os que menos sabem o número da própria candidata em quem pretendem votar, segundo o Datafolha.

Dos que dizem preferir a ex-senadora, 85% afirmam desconhecer como escolhê-la na urna eletrônica, ou seja, ignoram que o número dela é 18.

Outros 7% dos apoiadores de Marina citaram um número errado quando questionados no levantamento; 9% fizeram a menção correta.

A presidenciável da Rede é a quarta colocada na pesquisa, com 5%, atrás de Jair Bolsonaro (PSL), com 28%, Fernando Haddad (PT), com 22%, Ciro Gomes (PDT), com 11%, e Geraldo Alckmin (PSDB), com 10% —os dois últimos estão empatados tecnicamente.

Marina despencou nas últimas semanas, num movimento que coincidiu com a oficialização de Haddad como o candidato do PT. A ex-senadora tinha 16% das intenções quando sua candidatura foi registrada, em agosto.

Uma das estratégias da campanha para tentar colar o número de urna de Marina na cabeça do eleitor foi colocá-lo sempre que possível nas propagandas e postagens de internet. O mote de "2018 é a vez do 18" foi usado com frequência, buscando uma associação com o ano.

No caso dos dois candidatos que lideram a corrida no primeiro turno, o conhecimento dos respectivos números de urna é maior.

Entre os eleitores que votarão em Bolsonaro, 76% citam corretamente o número do deputado federal (17). Outros 2% erram, e 22% falam que não sabem o número dele.

Haddad tem uma situação levemente vantajosa em relação a seu principal rival: 81% dos que querem votar no petista mencionam o número certo (13). Apenas 1% respondem o errado. Outros 19% dizem desconhecer o número dele.

Quando comparado a todos os presidenciáveis, o ex-prefeito da capital é o que tem posição mais confortável, com o maior grau de conhecimento de seu número entre os eleitores que querem votar nele.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.