Descrição de chapéu Eleições 2018

Em vídeos, Temer ataca Alckmin e vincula tucano

Presidente acusa candidato do PSDB à Presidência de dizer 'falsidades' e afirma que partido o ajudou muito em sua gestão

Brasília e São Paulo

​Em vídeo divulgado na noite desta quarta-feira (5), o presidente Michel Temer rebateu as críticas que o candidato do PSDB ao Planalto, Geraldo Alckmin, tem feito a seu governo.

Com um tom irritado, pontuado por ironias, Temer disse que o tucano diz "falsidades" e vinculou aliados do ex-governador tucano à administração emedebista.

Com dificuldades de deslanchar nas pesquisas eleitorais, o candidato do PSDB à sucessão presidencial corre o risco de enfrentar uma nova crise em sua campanha eleitoral, desta vez com os partidos que formam a sua base de apoio.

O presidente acusou o tucano de ser injusto com as siglas que o apoiam na disputa presidencial.

Nos vídeos, Temer se referiu a inserção televisiva em que são criticadas as administrações do PT e do MDB em áreas como educação e saúde.

"Eu me dirijo a você [Alckmin] pelas falsidades que você tem colocado em seu programa eleitoral. E eu não posso silenciar em homenagem ao povo brasileiro", disse no primeiro vídeo, de 1m57s.

Na gravação, Temer elenca integrantes do centrão que estão associados ao tucano e participaram de seu governo.

As duas pastas citadas pelo presidente foram administradas, durante o atual governo, por DEM e PP, respectivamente, partidos que apoiam a candidatura do tucano. Segundo a Folha apurou, os ataques do presidente partiram de reclamações feitas a ele por parte de integrantes das próprias siglas.

"Eu me lembro que, quando candidato a governador, nas vezes que lhe apoiei, você era diferente. Então, não atenda o que dizem seus marqueteiros, atenda apenas a verdade", disse Temer.

No segundo vídeo, de 1m18s, ainda não publicado mas já antecipado pelo Painel, o presidente volta a se dirigir a Alckmin.

Ciente da toxicidade de seu apoio político, Temer ressalta a participação de tucanos em seu governo. 
"Volto a falar com você para dizer como o PSDB me ajudou no governo", diz Temer, antes de elencar todos os ministros tucanos que nomeou.

"Eu levei o PSDB para dentro do Palácio do Planalto (...). Não faça como os que falseiam, que mentem para pedir votos."

Temer diz no segundo vídeo que, graças ao trabalho que fizeram no governo dele, tucanos como Bruno Araújo (PSDB-PE) e Antonio Imbassahy (PSDB-BA) podem pedir votos e apoiar a candidatura presidencial do PSDB em seus estados.

Em caráter reservado, integrantes do chamado centrão têm se queixado do tom pouco incisivo que Alckmin tem adotado contra Jair Bolsonaro, do PSL, e já duvidam da capacidade do tucano de desidratar o adversário.

Apesar de ser apoiado pelo PP, de sua candidata a vice-presidente, Ana Amélia, o presidente nacional da legenda, Ciro Nogueira, por exemplo, já anunciou que votará no candidato petista. No Rio Grande do Sul, o candidato do PP ao Senado Federal, Luis Carlos Heinze, declarou apoio a Bolsonaro.

Além de se referir ao DEM e ao PP, Temer também acusa Alckmin de ser injusto com o PRB e com o PTB, que também fizeram parte de seu governo e hoje fazem parte da coligação do tucano.

"Se você fala em desemprego, sabe que quem conduziu o Ministério do Trabalho foi o PTB, que apoia a sua candidatura e está na base do meu governo. Se você vier a ganhar a eleição, eles serão sua base governamental", disse Temer.

Desde o início da campanha eleitoral, Alckmin tem tentado se distanciar de Temer, cuja gestão é considerada a mais impopular desde a redemocratização do país, segundo a série histórica do Datafolha.

O outro alvo da artilharia do presidente será Fernando Haddad (PT), hoje vice de Lula.

“Você que pode ser candidato a vice, ou a presidente, não sei bem como serão as coisas”, inicia o presidente. “Quero que você, quando me chama de ‘golpista’ (…), leia a Constituição. Quando um presidente é impedido, o vice assume.”

Temer também rebate críticas do PT à reforma trabalhista e alfineta: “É que hoje, Haddad, ninguém quer cumprir a Constituição, ninguém quer cumprir a lei. As pessoas querem fazer aquilo que você está fazendo: inventando as coisas da própria cabeça”.

Aliados do presidente dizem que ele ficou extremamente irritado com os ataques veiculados por Alckmin no horário eleitoral. As peças trazem críticas a políticas de saúde e educação, por exemplo.

Gustavo Uribe , Daniela Lima , Thais Arbex e Talita Fernandes
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.