Descrição de chapéu Eleições 2018

No DF, Bolsonaro repete hits de campanha e chuta Pixuleco

Carreata do presidenciável do PSL teve tom de improvisação e trajeto decidido na hora

Bolsonaro chuta Pixuleco durante carreta em Ceilândia (DF)
Bolsonaro chuta Pixuleco durante carreta em Ceilândia (DF) - Adriano Machado/Reuters
Talita Fernandes
Brasília

Cerca de meia hora antes da chegada do candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL), dezenas de militantes cercavam um trio elétrico numa das principais avenidas de Ceilândia.

A concentração da carreata se deu como tipicamente seus fãs fazem: críticas à esquerda e à imprensa. "Globo lixo, Globo comunista", gritavam. Uns mais exaltados chegaram a ameaçar que esse seria o dia em que quebrariam uma câmera do canal de televisão.

A chegada do presidenciável mudou as atenções: os militantes esqueceram da imprensa e passaram a tentar subir no trio elétrico para ficar ao lado de Bolsonaro, que foi aclamado sob o grito de "mito" com o som de um jingle improvisado de campanha: "El mito llegó", cantando em espanhol e em ritmo de reggaetton.

 

De acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal, cerca de 3.000 pessoas participaram da carreata estimada em mil veículos.

A carreata teve tom de improvisação e o trajeto de Ceilândia à vizinha Taguatinga foi decidido na hora, com direito a mudanças e indefinições sobre o ponto exato do destino final.

Bolsonaro foi levado no colo ao trio e de lá de cima fez um breve discurso de onde repetiu um de seus principais hits de campanha: críticas ao PT, à esquerda e imitação de uma arma com as mãos.

"O Brasil não suporta mais outro ciclo de PT ou PSDB. Vamos varrer a cúpula desses partidos para a lata do lixo. Vamos dar um pé no traseiro do comunismo. Vamos extinguir o Foro de São Paulo, vamos valorizar a família brasileira. Vamos respeitar as crianças em sala de aula. Vamos jogar pesado na questão da violência", disse.

Depois de terminar a fala, ele chutou um boneco do ex-presidente Lula, conhecido como Pixuleco, imitou uma arma com as mãos e arrancou gritos dos fãs, que repetiam: "Eu vim de graça", em sinal de espontaneidade da participação nos eventos de Bolsonaro.

A carreata demorou quase 40 minutos para ter início devido à superlotação do trio elétrico. Bolsonaro teve de descer e trocar de veículo para evitar que sua segurança fosse ameaçada.

Já num caminhão menor, ele chegou a se irritar em alguns momentos e bateu na lataria do veículo, ameaçando descer caso a carreata não continuasse.

O candidato desfilou o tempo todo sem tocar no microfone uma única vez. O trajeto foi feito sob a alternância de discursos de políticos do Distrito Federal: o candidato a governador pelo PRP, Paulo Chagas, a candidata a deputada Bia Kicis (PRP) e Fadi Faraj, que concorre ao Senado pelo mesmo partido.

Eram repetidos discursos de ordem em nome de Deus, da família e contra a corrupção e contra o comunismo. Da rua, fãs acenavam em apoio ao presidenciável, que também recebeu tímidos sinais de reprovação: moradores e transeuntes gesticulavam com o polegar para baixo.

Os deputados Fernando Francischini (PSL-PR) e Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do candidato, deram apoio à segurança e à organização do evento. Eduardo chegou a descer mais de uma vez para buscar água para os apoiadores e para distribuir adesivos do pai entre os participantes, que seguiam a carreata.

Ao fim do evento, Bolsonaro voltou a vislumbrar uma vitória em primeiro turno, mas negou que isso signifique querer sentar-se na cadeira antes de ser eleito.

"Não tô sentando em cadeira nenhuma. Não tô em cadeira. Vamos em frente."

O gesto é visto como símbolo de má sorte desde 1985. Na ocasião, Fernando Henrique deixou-se fotografar na cadeira de prefeito de São Paulo, cargo que ainda disputava, e acabou derrotado.

Ele repetiu sua desconfiança no sistema eleitoral ao afirmar que só o voto impresso garantiria a confiabilidade da urna eletrônica.

"Qualquer um que ganhar vai estar sob suspeita das eleições com toda certeza. Inclusive qualquer um que ganhar o outro lado vai arguir a suspeição. Por que nenhum país do mundo adota esse modelo? Só o Brasil."

Para encerrar o evento, fez um novo discurso, já em Taguatinga e tentou cativar os presentes, um público mais minguado do que o de Taguatinga, lembrando que sua mulher é do DF.

"A minha esposa é da Ceilândia. Vamos ter uma primeira-dama da Ceilândia ou não vamos?", disse, arrancando aplausos.

Torcedor do Palmeiras, ele chegou a anunciar que deixaria o "coração verde" para torcer pelo Flamengo no sábado. Bolsonaro anunciou que vai ao Maracanã para assistir à partida do Flamengo contra a Chapecoense pelo Campeonato Brasileiro.

Ao contrário do clima do início do evento, em que seus fãs dirigiram insultos e ameaças à imprensa, o deputado dirigiu um afago aos jornalistas.

"Aqui não tem bilhões na campanha, nem tempo de televisão", disse, mas emendou que conta com a imprensa que "ainda acompanha e faz a sua matéria com bastante isenção".

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.