Descrição de chapéu Eleições 2018

PT destina R$ 4,5 mi a partido aliado que deu votos a impeachment de Dilma

Partido repassou verba a campanhas do Pros; só Clarissa Garotinho recebeu R$ 700 mil

Felipe Bächtold
São Paulo

Antiga fonte de problema para o PT, a união do partido com o Pros (Partido Republicano da Ordem Social) foi renovada na eleição presidencial deste ano e inclui pagamento de despesas elevadas na campanha do aliado. 

O diretório nacional do PT consta como doador de campanhas eleitorais de 15 candidatas do Pros, legenda conhecida pelo perfil fisiológico e que costuma formar alianças com partidos das mais variadas vertentes.

Uma das beneficiadas no Pros foi Clarissa Garotinho, filha dos ex-governadores do Rio que concorre à Câmara.

Dilma Rousseff, militantes e artistas em evento que lembrou um ano do processo de impeachment que a retirou da Presidência da República, no Rio de Janeiro - Mauro Pimentel - 31.ago.2018/Folhapress

O total de repasses pelo PT ao Pros soma R$ 4,5 milhões —e só há mulheres entre as candidaturas beneficiadas.

Neste ano, com a instituição do financiamento de campanha com recursos públicos, os partidos são obrigados a destinar pelo menos 30% dos recursos do fundo eleitoral para candidaturas femininas.

Clarissa Garotinho, que tenta a reeleição, recebeu R$ 700 mil do diretório nacional petista, valor elevado para os padrões dessa eleição e não muito distante dos recebidos por nomes veteranos do PT na Câmara.

O ex-ministro da Saúde petista Alexandre Padilha, por exemplo, recebeu R$ 507 mil do partido para sua campanha a deputado federal em São Paulo até agora.

Nomes sem expressão do Pros, como Maria Clara Azevedo (candidata a deputada estadual em Minas), e Maria de Lourdes Vinagre (que concorre a deputada estadual na Paraíba), receberam respectivamente R$ 570 mil e R$ 500 mil.

O Pros é o único aliado do PT, além do PC do B, e garante um reforço no tempo de TV da eleição presidencial.

Integrante da chapa que elegeu Dilma Rousseff em 2014, se tornou um aliado incômodo: quatro de seus seis deputados votaram a favor do impeachment dela na Câmara, em 2016.

A aliança firmada quatro anos atrás virou alvo das delações da empreiteira Odebrecht e de executivos da JBS. Um dos delatores da empreiteira afirmou a investigadores que repassou dinheiro vivo ao Pros como parte de um acordo com o PT para a compra de tempo de televisão.

Nos depoimentos da JBS, também há acusação de "compra de partidos" na campanha de Dilma, como o Pros, com dinheiro de propina.

O fundador do Pros e principal dirigente do partido, Eurípedes Junior, ainda hoje é investigado. Ele atualmente é candidato a suplente de senador no Distrito Federal. 

Nos estados, o partido formou alianças que incluem o bolsonarista Antonio Denarium (PSL), candidato ao governo de Roraima, e passam por PSDB, PT e MDB.

O diretório nacional do PT já destinou a candidatos um total de R$ 172 milhões até o fim da semana passada. 

O partido informou, via assessoria, que a transferência de recursos do fundo eleitoral entre partidos da mesma coligação está prevista em lei.

"A indicação das candidaturas e dos valores individuais foi feita ao PT pela direção do Pros. A participação do Pros na Coligação O Povo Feliz de Novo foi definida com base no apoio ao plano de governo do então candidato Lula." 

Sobre as delações, o partido diz no comunicado que não comenta acusações de criminosos confessos negociadas em troca de benefícios.

Questionado sobre a ajuda, o Pros afirmou que, "dentro de uma aliança, de uma coligação partidária, é natural que haja colaboração e fortalecimento de um projeto comum".

"O Pros direcionou candidaturas do partido para apoio estrutural junto ao PT. Nada condicionado ao formato da aliança nacional. Nada que fuja da legalidade", afirmou a direção partidária, em nota.

A sigla também afirmou que decidiu pelo apoio ao presidenciável petista Fernando Haddad após promover debates com outras candidaturas. 

"Para um bom governo por parte do Executivo, é primordial que exista uma base legislativa forte e, estimular quadros que poderão contribuir com isso, está dentro da estratégia eleitoral dos partidos que visam ganhar as eleições."

O Pros disse ainda que não apoiou o impeachment de Dilma, ainda que parte de seus deputados tenham votado a favor, e que não houve "de forma alguma orientação partidária" nesse sentido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.