Descrição de chapéu Eleições 2018

Supremo rejeita denúncia contra Bolsonaro sob acusação de racismo

Maioria dos ministros entendeu que declarações em palestra não extrapolaram liberdade de expressão

Reynaldo Turollo Jr.
Brasília

Por 3 votos a 2, a Primeira Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) rejeitou denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o deputado e candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL), que foi acusado do crime de racismo em relação a quilombolas e refugiados.

O julgamento começou no último dia 28 e foi suspenso por um pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes. Na ocasião, o placar estava empatado em 2 a 2. Nesta terça (11), Moraes trouxe seu voto pela rejeição da acusação.

“Apesar do erro das declarações, não me parece que a conduta teria extrapolado os limites para um discurso de ódio, de incitação ao racismo, de xenofobismo”, afirmou Moraes.

“As declarações foram dadas num contexto de crítica política a instrumentos governamentais, não tendo havido, a meu ver, o extrapolamento que afastasse a incidência da inviolabilidade material que cada parlamentar tem [para se expressar].”
 
Os ministros Marco Aurélio, relator do processo, e Luiz Fux já tinham votado por rejeitar a denúncia. Do outro lado, Luís Roberto Barroso e Rosa Weber foram favoráveis ao recebimento da denúncia (em relação somente aos quilombolas) e consequente abertura de ação penal, mas acabaram vencidos.

 

A acusação de racismo resultou de declarações dadas em uma palestra no Clube Hebraica do Rio no ano passado. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou o militar reformado em abril deste ano. Para ela, Bolsonaro “usou expressões de cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais”.

Marco Aurélio, Fux e Moraes entenderam que as declarações se deram dentro dos limites da liberdade de expressão. Já Barroso e Rosa consideraram que elas ultrapassaram a fronteira do crime, enquadrando-se no artigo 20 da Lei do Crime Racial.

Tal artigo dispõe que é crime “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”, com pena prevista de 1 a 3 anos de reclusão.

Bolsonaro está internado em São Paulo, depois de ter sido esfaqueado num ato de campanha em Juiz de Fora (MG) na última quinta-feira (6). Ele lidera as pesquisas de intenção de voto para a Presidência da República.

Na denúncia, Dodge havia classificado a conduta de Bolsonaro de “ilícita, inaceitável e severamente reprovável”. Conforme narrou a PGR, primeiro ele destilou preconceito contra as mulheres, ao dizer: “Eu tenho cinco filhos. Foram quatro homens, a quinta eu dei uma fraquejada e veio uma mulher”.
 
“Em seguida”, prosseguiu a acusação, “Bolsonaro apontou seu discurso de ódio para os índios”. Na sequência, atacou os quilombolas. “Eu fui em um quilombola em Eldorado Paulista. Olha, o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas”, disse. Ele também declarou que quilombolas “não fazem nada”, “nem para procriador eles servem mais”.

Por fim, sobre a entrada de refugiados venezuelanos no país, Bolsonaro disse que “o Brasil não pode se transformar na casa da mãe Joana”. “Não pode a decisão de um governo acolher todo mundo de forma indiscriminada. Não tem problema vir pra cá quem quer que seja, mas tem que ter um motivo e um levantamento da vida pregressa dessas pessoas”, declarou.

O advogado Antônio Sérgio Pitombo, que defendeu Bolsonaro da tribuna, disse que o que estava em jogo era o direito de se expressar. “O que se está a julgar não é crime de racismo. É a liberdade de expressão. A liberdade de expressão como direito individual e como pilar da democracia”, sustentou. “Não estaríamos transformando o discurso do ódio no ódio ao discurso?”

O relator, Marco Aurélio, considerou que, para que a discriminação libere suas consequências negativas, não basta que um grupo afirme ser superior a outro. É preciso que haja uma relação de dominação —o que, para ele, não ocorreu com a palestra proferida no Rio.

“As falas [de Bolsonaro] estão vinculadas ao contexto de demarcação e proveito econômico das terras, sendo descabível confundir o interesse na diminuição de reservas indígenas ou quilombolas com a supressão ou eliminação dessas minorias”, disse Marco Aurélio.

“O contexto configura manifestação política que não extrapola os limites da liberdade de expressão”, completou. Ainda de acordo com o ministro, Bolsonaro deu a palestra na condição de deputado e estava protegido pela imunidade parlamentar prevista na Constituição.

Fux afirmou que, a despeito de o discurso ter sido infeliz, “na essência houve uma crítica contundente às políticas públicas [de demarcação de terras]”, e não crime de racismo. Para o ministro, a doutrina indica que se deve evitar ao máximo criminalizar as manifestações de opinião.

Barroso, diferentemente, considerou que as expressões usadas pelo deputado configuraram crime. “‘Arrobas’ e ‘procriador’ são termos utilizados para se referir a animais irracionais, a bichos, e, portanto, eu penso que equiparar pessoas negras a bichos, eu considero, para fins de recebimento de denúncia, um elemento plausível de violação do artigo 20 da lei de crime racial”, afirmou.

Bolsonaro responde a duas ações penais no Supremo, que tramitam em conjunto, sob a acusação de incitar o crime de estupro em um episódio em que disse à deputada Maria do Rosário (PT-RS) que só não a estupraria porque ela não merecia.

A denúncia da PGR nesse caso foi recebida pela mesma Primeira Turma, em junho de 2016, por 4 votos a 1 —só Marco Aurélio votou a favor de Bolsonaro naquela ocasião.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.