Descrição de chapéu Eleições 2018

Após naufrágio, Marina Silva encara futuro incerto e terá de reerguer sigla

Presidenciável que chegou a ter 20 milhões de votos terminou atrás do folclórico Cabo Daciolo

Angela Boldrini Joelmir Tavares
Rio Branco e São Paulo

Logo antes de o voo 1795, saído de Rio Branco com destino a Brasília, decolar na tarde de domingo (7), ouve-se uma exclamação entre os passageiros: “O último voo da campanha!”.

O coordenador-geral da terceira tentativa de Marina Silva (Rede) de chegar ao Planalto, Lourenço Bustani, corrige rápido o ato falho do colega. “Do primeiro turno, hein”, diz. 

A cena dá o tom dos últimos dias da campanha da ex-senadora, que começou o primeiro turno em segundo lugar e terminou em oitavo, com 1% dos votos.

A candidata que chegou a amealhar mais de 20 milhões de votos em 2014 terminou 2018 atrás do folclórico deputado Cabo Daciolo (Patriota).

Mesmo em queda livre nas pesquisas, o tema de apoio no segundo turno era tabu até o último segundo. Publicamente, dirigentes da Rede e e coordenadores questionavam pesquisas que mostravam um despencar constante da candidata desde a entrada de Fernando Haddad (PT) no jogo, em meados de setembro.

Na manhã de domingo, após votar na sede do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em Rio Branco, sua terra natal, Marina se irritou com a insistência de repórteres que queriam saber se ela aceitaria apoiar Haddad num eventual segundo turno contra Jair Bolsonaro (PSL)

“Essa pergunta só pode ser feita depois da apuração”, afirmou. Na última semana, membros da campanha eram categóricos: “Sobre segundo turno, ela não vai falar”.

Depois da derrota, em seu discurso, Marina disse que ainda não havia tomado decisão e que seria oposição a qualquer um dos dois governos.

"Independente de quem seja o vencedor, nós estaremos na oposição", disse a presidenciável.

A campanha caminhava nos últimos dias em clima de fim de festa e incerteza com relação ao destino político da ex-senadora.

Se em 2014 Marina terminou sua campanha fazendo carreata em São Paulo, neste ano o fim se deu em uma pequena recepção de militantes e familiares no aeroporto de Rio Branco, no sábado (6). 

Não houve nem sequer a caminhada prevista no centro da capital do estado que lhe deu o primeiro lugar com 42% dos votos na eleição passada e onde neste domingo ela recebe menos de 3%.

Depois de votar, a candidata encaminhou-se ao aeroporto vazio. Ao lado do marido, passou o voo lendo uma grande Bíblia que carrega consigo há 30 anos e tirou fotos. 

Dormiu um pouco, mas aparentava cansaço. A candidata acompanhou a apuração da capital federal, onde mora. 

Autocrítica

Nos bastidores, parte da campanha considera que o primeiro erro foi a decisão de levar a frente uma candidatura presidencial em clima desfavorável e com pouca estrutura partidária. A avaliação é que de não havia espaço, no pleito de 2018, para o centralismo pregado por ela.

Dentro da Rede, houve quem defendesse no início do ano que Marina saísse, na verdade, candidata ao Senado. Após intenso debate, o desejo da ex-ministra de sair novamente ao Planalto prevaleceu. 

Agora, a direção da Rede espera os próximos passos da criadora do partido. A afirmação geral, no entanto, é de que Marina deve demorar para tomar qualquer decisão, seja sobre apoios seja sobre seu próprio futuro.

Há uma ala que defende que a ex-senadora se una ao candidato petista contra Bolsonaro. A opinião, porém, não é consenso entre os membros da Rede. E a decisão final, sabe-se, virá de Marina.

No domingo, ela disse que a decisão ainda será discutida e fez críticas aos dois candidatos. "Nós não temos identificação com nenhum projeto autoritário”, disse, em alusão a Bolsonaro. Em seguida, no entanto, afirmou que a democracia é “prejudicada pelas ideias autoritárias quanto pelo uso da corrupção que distorce a vontade dos eleitores”.

A reticência da candidata é explicada pelo que apoiadores chamam de trauma de 2014. Naquele pleito, Marina sofreu fortes ataques da campanha de Dilma Rousseff (PT) e decidiu apoiar Aécio Neves (PSDB) —parceria que foi constantemente instada a explicar durante a campanha. 

Se já era controverso na época (depois de ter passado a campanha criticando a polarização e o PSDB), o endosso se tornou ainda mais problemático depois das revelações da Lava Jato sobre Aécio.

Na campanha, há a avaliação de que seria mais fácil que houvesse uma declaração de apoio caso o candidato a enfrentar o deputado do PSL no segundo turno fosse Ciro Gomes (PDT), já que Marina passou a campanha fazendo duras críticas ao PT.

Além de pensar em seu futuro político pessoal, Marina terá que reconstruir a própria Rede. 

A sigla apostava na força da candidata nas urnas para alavancar o voto de legenda. Com o naufrágio de Marina, seu partido não deve passar a cláusula de barreira para o Legislativo federal e terá dificuldades para sobreviver.

A sigla seguiu o pífio desempenho de sua líder. Elegeu apenas uma deputada, a indígena Joênia Wapixana (RR).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.