Descrição de chapéu Eleições 2018

Associação diz que indígena que se reuniu com Bolsonaro não representa etnias do Xingu

Índia que visitou candidato apresentou falso apoio dos índios, afirma a entidade

Rubens Valente
Brasília

Principal associação representativa dos índios do Parque do Xingu, em Mato Grosso, a ATIX (Associação Terra Indígena Xingu) afirmou em nota pública neste domingo (28) que a índia que visitou na quarta-feira (24) o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL-RJ) apresentou “um falso apoio” dos índios da região e não os representa. Na nota, a ATIX disse que Bolsonaro é “anti-humano”.

Na terça-feira, Bolsonaro recebeu a índia em sua casa no Rio de Janeiro e posou para fotos e vídeos divulgados em redes sociais. O encontro foi exibido nas emissoras de televisão e a índia foi identificada como “da tribo do Xingu”. Em vídeos divulgados por bolsonaristas em redes sociais, a índia Ysani Kalapalo diz que o candidato “é um guerreiro”.

A ATIX foi criada há 20 anos para fazer a representação política de 16 etnias do parque do Xingu. Na nota, a entidade afirmou que Ysani é “residente e domiciliada em Embu das Artes”, na Grande São Paulo, e que ela faz uma “falsa representação” dos indígenas.

A entidade afirmou ainda que Bolsonaro pretende “acabar com 129 processos de demarcação de terras indígenas no país, mesmo sabendo que após cinco ou dez anos da aprovação da Constituição Federal, os constituintes demarcariam todas as terras para populações indígenas do Brasil”. A ATIX disse que indígenas “ainda estão esperando as terras deles serem devolvidas” e "atualmente moram com outros parentes".

A nota da ATIX também referendou as declarações gravadas em vídeo pelo cacique da etnia kalapalo Tafukumã e divulgadas na internet pelo site “Jornalistas Livres”. Na gravação, o cacique indaga a Ysani “o que passou pela cabeça” dela ao se dirigir à casa de Jair Bolsonaro “e levar a mensagem como se fosse representante do povo kalapalo”, segundo a tradução para o português referendada pela ATIX.

“Você não falou com a gente que iria apoiar Bolsonaro. Não queremos dar força ao Bolsonaro. Todos os indígenas estão contra o Bolsonaro”, disse Tafukumã. Ele disse que ela nunca discutiu o assunto com os kalapalos e a chamou de “mentirosa”. “Como você pode falar isso, se esqueceu do povo kalapalo?”, indaga o cacique.

Em um vídeo postado na sua página em rede social neste sábado (27), Ysani Kalapalo se defendeu das afirmações de Tafukumã. “São oito aldeias kalapalo dentro do Xingu, Esse cacique que me enviou o vídeo me desqualificando não é da minha aldeia. O nosso cacique se chama Guga Kalapalo, que é meu irmão, e somos lideranças dentro da nossa aldeia, Então queria pedir o respeito aos indígenas que estão me assistindo agora. Eu vou para a aldeia dele [Tafukumã] pessoalmente conversar com ele. Sei que está sendo manipulado por umas pessoas aí que eu conheço. Eu não tenho nada contra ele, eu respeito muito ele, mas me desqualificar dessa maneira, me chamar de mentirosa...”, disse Ysani.

A indígena disse que foi à casa de Bolsonaro para “tirar satisfação” sobre as propostas na área indígena e que resolveu votar nele após a conversa, que durou 15 minutos, segundo ela. Ysani confirmou que ouviu do candidato que ele não vai demarcar mais “nenhum centímetro” em terra indígena” caso vença as eleições. "Ele esclareceu para mim, ele quis dizer que não vai mais demarcar terra para índio porque já temos terras demais e agora temos que trabalhar com isso”, disse Ysani, que disse apoiar essa proposta de governo de Bolsonaro.

“Eu não diria que estou 100 por cento de acordo com ele, tá? Mas me identifiquei, mais do que me identifiquei com o plano de governo do Haddad. Essa coisa de favorecer o bandido não é comigo. Bandido tem que estar na cadeia mesmo, eu fui assaltada três vezes. Sabe o que aconteceu com esses caras que me assaltaram? Nada, estão na rua. Eu quero segurança, eu quero emprego”, disse Ysani. Ela afirmou que, no passado, apoiou Dilma Rousseff (PT). “Olha o que aconteceu, ela nos traiu. Ela assinou um decreto autorizando várias hidrelétricas sem autorização dos indígenas, principalmente Belo Monte”, disse Ysani. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.