Descrição de chapéu Eleições 2018

Bolsonaro se diz 'surpreso' com apoio de Joaquim Barbosa a Haddad

Candidato do PSL fez pronunciamento em live no Facebook

Talita Fernandes
Rio de Janeiro

O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) se disse surpreso com o apoio declarado pelo ex-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa a Fernando Haddad (PT).

"A gente fica sem entender. O senhor Joaquim Barbosa fez um excelente trabalho no Supremo Tribunal Federal, botou na cadeia José Dirceu, José Genoino entre tantos outros porque mereciam. Pessoas que foram ai pilhadas nos mais graves crimes, corrupção passiva, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, entre tantas outras coisas. Agora ele declara apoio a Haddad, do PT?", indagou, ao comentar o apoio em transmissão ao vivo pelo Facebook.

Jair Bolsonaro ao lado do deputado eleito Hélio Bolsonaro durante 'live' feita no Facebook neste sábado (27) - Reprodução

"A gente sabe que, se porventura o PT voltar um dia, essa turma toda: José Dirceu, Genoino, entre tantos outros, todos voltarão. E aquele esquema que foi desmantelado lá atrás por Joaquim Barbosa volta a ocupar o centro da política brasileira."

Neste sábado (27), Barbosa escreveu: "Pela primeira vez em 32 anos de exercício do direito de voto, um candidato me inspira medo. Por isso, votarei em Fernando Haddad".

Após a publicação, Bolsonaro reagiu em sua rede, publicando um vídeo em que Barbosa diz, durante o julgamento do mensalão, em 2012, que "somente Jair Bolsonaro votou contra" uma lei que teria sido aprovada após a compra, pelo PT, de líderes partidários. 

O ex-ministro do STF reagiu e fez nova postagem no Twtiter: "Faço um esclarecimento público para desmentir uma manipulação que vem sendo feita ao longo desta triste campanha eleitoral", escreveu Barbosa, em seguida.

"Até a data de hoje eu ignorei completamente o uso do meu nome na campanha por um dos candidatos. Mudei de ideia porque hoje reiterou-se a manipulação", completou. 

O post incomodou Bolsonaro, que disse que a declaração do ex-ministro está disponível na internet para 'qualquer um ver'.

"Ele diz lá que, sem entrar no mérito daquelas reformas, a base aliada do governo votou de forma unânime favorável ao PT, exceto o senhor Jair Bolsonaro, que era o único que não votava com o PT. Dai já cai mais um mito da esquerdalha dizendo que eu sempre votei com o PT no passado. Se eu tivesse sempre votado com o PT no passado eu seria um exemplo, mas réu na ação penal conhecida como mensalão.  A verdade está posta e está ai. Nunca tive qualquer contato com o PT , nunca tive qualquer afinidade, se tivesse estaria sendo processado no mensalão", afirmou.

'VIRA VOTO'

Bolsonaro também pediu que seus aliados usassem as redes sociais para "virar votos".

"Vamos no caminho, hoje à noite ainda via WhatsApp, mídias sociais, buscar mais um voto para nós. Vamos convencer quem votou no outro candidato votar em nós", disse.

Nos últimos três dias, a campanha trocou o tom de "já ganhou" para cautela. A mudança se deve à diminuição da vantagem de Bolsonaro em relação a Haddad.

Pesquisa Datafolha deste sábado mostra que o capitão reformado tem 55% dos votos válidos contra 45% do petista. O Ibope trouxe números parecidos, com um ponto de diferença para ambos: 56% contra 44%.

Na semana passada, ele aparecia com 59% contra 41% de Haddad.

Bolsonaro passou o dia em casa, em um condomínio na Barra da Tijuca, onde recebeu aliados como o pastor Silas Malafaia e o deputado federal João Carlos Bacelar (PR-BA).

Bolsonaro deve votar pela manhã no domingo (28) na Vila Militar, zona norte do Rio de Janeiro.

A Polícia Militar prepara um forte esquema de proteção no entorno do condomínio onde vive, na zona Oeste. A rua deve ser fechada para evitar tumulto já que um grupo de apoiadores tem passado os últimos dias carregando faixas e bandeiras com o nome do presidenciável. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.