É falso que polícia apreendeu carro-bomba que participaria de atentado a Bolsonaro

Veículo fazia parte de uma tentativa de libertar um traficante no Paraguai

Sarah Mota Resende
São Paulo

Não é verdade que a polícia apreendeu um carro-bomba que participaria de um atentado ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro, do PSL

Como verificado pelo projeto Comprova, o veículo filmado em um vídeo que circula no aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp e em redes sociais fazia parte de uma tentativa de libertar o traficante Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, o Marcelo Piloto, no Paraguai.

E, ao contrário do que afirmam mensagens e correntes de texto falsas, não tem qualquer relação com um suposto atentado a Bolsonaro. 

Comprova: É falso que polícia apreendeu carro-bomba que participaria de atentado a Bolsonaro
Comprova: É falso que polícia apreendeu carro-bomba que participaria de atentado a Bolsonaro - Reprodução

O veículo foi interceptado em uma ação conjunta da polícia paraguaia e da Interpol nesta quarta-feira (24).

O boato que viralizou diz que dois carros-bomba foram apreendidos tentando atravessar a fronteira entre Brasil e Paraguai —e que, posteriormente, seriam usados numa tentativa de atentado.

No entanto, os veículos foram encontrados em uma casa em Presidente Franco, no Paraguai, a cerca de 10 km da divisa com o Brasil. O destino seria a capital paraguaia Assunção, onde o traficante brasileiro está preso. Foi a segunda vez em que criminosos tentaram libertar o chefe da facção Comando Vermelho.

Veículos de imprensa, como os sites G1, R7 e Extra, noticiaram a ação policial que apreendeu os carros com explosivos. Para encontrar as reportagens, integrantes do projeto Comprova buscaram no site no site Google as palavras-chave "carro bomba" e "Paraguai".

Uma das versões da corrente de texto diz que o serviço de inteligência dos EUA teria repassado informações sobre um atentado contra o presidenciável do PSL. 

Apesar de os carros-bomba do vídeo não terem relação com Bolsonaro, segundo o jornal O Estado de S. Paulo afirma que, de acordo com dados da inteligência do governo federal, Bolsonaro  relatou ter recebido ameaças. As informações foram passadas há mais de uma semana pelo presidenciável, que teve a segurança reforçada. 

Em setembro, Bolsonaro, que é líder nas pesquisas de intenção de voto, foi atacado com uma faca emquanto fazia campanha de rua na cidade de Juiz de Fora (MG). 

O vídeo com a mensagem enganosa foi enviado por leitores ao WhatsApp do projeto Comprova com sugestão de verificação. 

Participou também da apuração deste texto O Estado de S. Paulo, que integra o Comprova, projeto que visa identificar, checar e combater rumores, manipulações e notícias falsas sobre as eleições de 2018. É possível sugerir checagens pelo WhatsApp da iniciativa, no número (11) 97795-0022.      

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.