Descrição de chapéu Eleições 2018

Haddad precisou reatar com o PT para assumir candidatura de Lula

Derrota em 2016 reduziu espaço do ex-prefeito, que virou plano B após recusa de Jaques Wagner

Retrato do presidenciável Fernando Haddad (PT)
Retrato do presidenciável Fernando Haddad (PT) - Bruno Santos - 27.set.2018/Folhapress
Bruno Boghossian
Brasília

Assim que encaixou o boné vermelho do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra na cabeça, Fernando Haddad, 55, mudou de ideia e tirou o adereço. Logo depois, como se estivesse constrangido por recusar o presente de um militante, voltou a vesti-lo. Em menos de um segundo, incomodado com o figurino, descartou a peça mais uma vez.

O candidato escolhido para disputar a Presidência pelo PT no momento mais crítico de sua história encarna os principais conflitos enfrentados pela sigla. Naquele domingo em Juazeiro (BA), há duas semanas, Haddad surfava na onda do lulismo e disparava nas pesquisas. Agora, às vésperas do primeiro turno, é obrigado a voltar ao Nordeste para conter um maremoto antipetista.

“Precisei fazer em vinte e poucos dias o que outros fizeram em seis meses”, disse à Folha no intervalo de uma gravação. A rejeição crescente ao PT dificultou o plano de Haddad de se apresentar como uma alternativa amena ao que ele mesmo classificava como a “barbárie”, representada por Jair Bolsonaro.

A adesão em massa de empresários e políticos ao candidato do PSL assustou o comando de sua campanha no início da semana. "Jogaram a toalha muito cedo e decidiram servir de escada para o Bolsonaro", lamentou o petista em uma conversa com aliados.

Para chegar com fôlego à votação deste domingo (7), o PT decidiu dobrar a aposta em redutos tradicionais, como o Nordeste. Se confirmar a vaga no segundo turno, o figurino moderado será a principal aposta de Haddad.

O professor universitário de classe média não era a primeira opção para substituir Lula após a prisão do líder petista. Seu destino só foi selado nos acréscimos.

Forçado pela legislação eleitoral a definir seu candidato a vice-presidente, o comando do PT fez uma visita-relâmpago a Lula em sua cela em Curitiba dois dias antes da convenção da sigla, marcada para 5 de agosto.

O ex-presidente sugeriu, então, que fosse feita uma última consulta a Jaques Wagner. O ex-governador baiano, seu amigo, era considerado um político com mais traquejo eleitoral que Haddad, com capacidade de acelerar a transfusão de votos de Lula especialmente no Nordeste.

Ao deixarem a carceragem da Polícia Federal, dois dirigentes do partido telefonaram para Jaques, no caminho até o aeroporto. Pelo viva-voz, a dupla ouviu do ex-governador a negativa final, com uma frase repetida por meses em conversas reservadas: "Não vou substituir Lula".

Naquela data limite, Haddad se tornou oficialmente o plano B dos petistas. Em uma articulação engenhosa, ele foi indicado como vice do ex-presidente preso. A vaga de vice do vice foi oferecida a Manuela D'Ávila, fechando o apoio do PC do B à chapa.

Depois que se tornou o virtual presidenciável do PT, Haddad foi alvo de três denúncias do Ministério Público com base em uma delação de Ricardo Pessoa, da UTC. O empresário diz que repassou R$ 2,6 milhões em caixa dois para pagar dívidas de campanha em troca de benefícios na Prefeitura de São Paulo. O petista rechaça a acusação, diz que não há provas e argumenta que contrariou os interesses da UTC no município.

A missão não caiu simplesmente no colo de Haddad. O ex-prefeito (2013-2016) trabalhou para recompor suas pontes com o PT, apagar algumas decepções, mergulhar nas estruturas orgânicas do partido e reforçar sua relação com Lula.

Haddad confidenciou a alguns auxiliares que se sentiu abandonado depois que sua candidatura à reeleição foi derrotada em primeiro turno, há dois anos.

Além de ter enfrentado a crise do reajuste das tarifas de ônibus, faísca dos protestos de junho de 2013, Haddad teve sua gestão marcada por críticas feitas pelos próprios petistas. Era acusado de dar muita atenção ao centro e se ausentar da periferia.

Ao perder a eleição, ele e sua equipe mais próxima ficaram sem espaço na máquina partidária, com uma dívida milionária de campanha para quitar.

Depois que deixou a prefeitura, Haddad se dedicou a dar palestras e aulas na universidade. Rodava de carona com um assessor, num Fox branco amassado dos dois lados. Auxiliares batiam à porta de artistas e empresários pedindo doações para zerar as contas. Por alguns meses, ao longo de 2017, ele cogitou deixar o PT.

O próprio Lula fez os gestos que facilitaram a reaproximação de Haddad com a legenda. No fim do ano, chamou o afilhado para acompanhá-lo em suas caravanas pelo país, deu a ele a coordenação do programa de governo de sua candidatura e, numa conversa reservada, disse que, se eleito, gostaria que ele fosse seu ministro da Fazenda.

Se Lula não pudesse disputar, Haddad defendia, naquela época, que o PT formasse uma frente com partidos de esquerda, abrindo mão até de lançar um candidato próprio.

A proposta seguia uma lógica que ele havia verbalizado quase dez anos antes, quando era ministro da Educação. Assessores que trabalhavam com Haddad contam que ele pregava a união imediata de grupos que considerava progressistas para frear uma onda conservadora.

O auge dessa pressão ocorreu em 2011, quando a pasta contratou uma ONG para elaborar um material de orientação de professores para combater a homofobia em sala de aula. O pacote foi batizado de “kit gay” pela bancada evangélica, que protestou até que Dilma Rousseff engavetasse o programa.

O caso, ironicamente, é explorado com frequência por seus adversários —como José Serra (PSDB) na disputa pela prefeitura em 2012 e Jair Bolsonaro neste ano.

A semente da frente única levou o petista a uma conversa com Ciro Gomes (PDT), em fevereiro, no apartamento do ex-deputado pedetista Gabriel Chalita, em São Paulo.

Ciro desfiou elogios a Haddad, disse que uma chapa composta pelos dois seria um "dream team" (time dos sonhos) e, num aceno de humildade, se ofereceu para ser seu vice. O petista retribuiu e afirmou que, por antiguidade, a candidatura caberia ao colega.

A prisão de Lula em abril mudou os planos. O PT passou a considerar essencial o lançamento de um candidato para liderar uma defesa pública do ex-presidente.

Para o partido, Ciro era pouco confiável para essa função e se recusava a repetir o discurso que Lula seria um preso político.

No início de maio, Gleisi Hoffmann, presidente do PT, disse a aliados que o apoio da sigla a Ciro não seria aprovado "nem com reza brava".

Cid Gomes, irmão do candidato pedetista, enviou uma mensagem em tom de ironia: "De grosseria em grosseria, constrói-se um país". Gleisi respondeu: "Respeito o senhor, mas de grosseria o Ciro entende". Os dois nunca mais se falaram.

Embora Haddad não soubesse, o caminho começava a se abrir para ele. Ao se tornar responsável pela elaboração do programa de governo petista, ele havia sido alçado a um papel de destaque na política interna da legenda, mas ainda precisava derrubar algumas barreiras.

A prisão do ex-presidente havia interrompido seus canais de comunicação. Haddad foi, então, orientado a reaver sua carteirinha da Ordem dos Advogados do Brasil para que pudesse ser incluído na defesa do presidente, com acesso livre à carceragem da PF.

Dois meses depois, deu um passo em direção a dirigentes do principal grupo da base petista. Filiou-se à corrente Construindo um Novo Brasil e criou pontes com dirigentes próximos de Lula.

O novo batismo não eliminou todas as tensões. Com frequência, o candidato é criticado por se desviar de algumas linhas mestras do partido.

Gleisi e outros comandantes do partido ficaram contrariados quando Haddad fez um aceno de moderação na economia ao admitir a urgência de uma reforma da Previdência.

Uma comparação feita há anos por Lula é evocada com frequência para descrever o perfil light do candidato: um petista com cara de tucano. Enquanto boa parte dos quadros do PT paulista se formou no Sindicato dos Bancários, Haddad fez militância na faculdade de direito do Largo do São Francisco e depois foi trabalhar nos escritórios do Unibanco como analista de investimentos, no fim da década de 1980.

Haddad brinca: “Para todos os efeitos, eu também era bancário, não era dono do banco. Pedi demissão para fazer doutorado em filosofia. O chefe do departamento arregalou os olhos, até me ofereceu uma promoção, mas acho que eu decidi muito cedo não ganhar dinheiro”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.