Descrição de chapéu Eleições 2018

Milionário eleito no Distrito Federal prega renovação e flerta com velha política

Ibaneis Rocha conseguiu abrigo no MDB com promessa de bancar própria campanha

O governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha
O governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha - Divulgação
Bernardo Caram
Brasília

​Até meados deste ano, Ibaneis Rocha (MDB), 47, era um nome desconhecido da política e da população do Distrito Federal. Tudo mudou nos últimos dois meses. Em um fenômeno de disparada nas pesquisas, o advogado, que nunca disputou um cargo público, foi escolhido neste domingo (28) para governar a capital federal.

Ibaneis se apresenta como um nome da renovação na política. Ao se vender como novo, porém, não conseguiu ficar imune a práticas da chamada velha política.

Dono de um patrimônio de R$ 94 milhões, prometeu bancar a própria candidatura e, assim, conseguiu abrigo no MDB em busca de tempo de televisão e facilidade para alianças políticas. Ele gastou R$ 3,5 milhões em recursos próprios na campanha.

O governador eleito reconhece que o autofinanciamento deixou a disputa desigual. Diz também que não tem identificação com o MDB e que a filiação foi o caminho possível para chegar ao governo.

No partido, tem como conselheiro um investigado por corrupção. Ele diz que não dará espaço na administração, mas vai ouvir o presidente regional da sigla, Tadeu Filippelli, que chegou a ser preso por suspeita de desvio de dinheiro público.

“O Filippelli tem a denúncia, não tem condenação. É um homem experiente, conhece todas as obras do Distrito Federal. Está com esse problema e espero que ele consiga solucionar”, afirma.

Nascido em Brasília, passou a infância no Piauí e voltou na adolescência, quando morou em Sobradinho, uma das regiões administrativas do DF.

Desde 1994, é sócio de um escritório de advocacia especializado em atender categorias de trabalhadores, principalmente, servidores públicos. Fruto dessas ações, tem R$ 30 milhões de precatórios a receber do governo.

Questionado sobre eventual conflito de interesse na possibilidade de ser governador enquanto tem dívidas a receber do governo, prometeu doar todo o dinheiro para melhorias em escolas. A declaração foi alvo de críticas de adversários, por soar como compra de votos.

A mesma acusação foi feita quando ele afirmou a eleitores que, se eleito, usaria dinheiro próprio para reconstruir casas demolidas pelo atual governo. Ele nega irregularidade e argumenta que fez uma promessa de campanha como qualquer outra.

Em 2013, Ibaneis assumiu a presidência da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) seccional Distrito Federal.

No comando da instituição, negou a emissão de carteira de advogado ao ex-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa. Na ocasião, argumentou que o ministro não possuía idoneidade moral para ser advogado. Depois, a carteira acabou liberada.

Eleito governador, Ibaneis diz que pretende transformar o Distrito Federal em uma zona de livre comércio e atrair empresas de tecnologia para Brasília. Também promete reajustar salários de servidores, congelados no atual governo, e aumentar o investimento em transporte público, como na ampliação do sistema de metrô.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.