Descrição de chapéu Eleições 2018

Monitoramento de 175 grupos de WhatsApp mostra ênfase em ação contra críticos de Bolsonaro

Reportagem acompanhou grupos públicos de apoio a capitão por seis dias; há indício de robôs

São Paulo

O convite para participar de ataques digitais e articulados contra críticos do candidato Jair Bolsonaro (PSL) foi o principal tema em 175 grupos de WhatsApp favoráveis ao líder nas pesquisas para presidente.

A reportagem acompanhou durante seis dias todas as postagens nesses grupos públicos, além de outros 23 grupos pró-Fernando Haddad (PT) e 26 grupos neutros. No total, foram catalogadas 272 mil mensagens, enviadas por 17 mil números diferentes de telefones.

O assunto mais presente nos grupos pró-Bolsonaro no período foi o convite para que os participantes dessem “deslike” (desaprovação) a vídeos em que artistas pedem que a ministra Rosa Weber, do Tribunal Superior Eleitoral, puna Bolsonaro.

Os vídeos mostram artistas como Sophie Charlotte e Zezé Polessa cobrando atuação do tribunal devido à ação de empresários na compra de pacotes de mensagens no WhatsApp, atividade que a Folha revelou dia 18 de outubro.

Ao longo de seis dias, foram enviados 1.095 convites para atacar os vídeos nos 175 grupos. A ação parece ter tido efeito: um dos vídeos em questão, no YouTube, tinha 102 mil “deslikes” e 20 mil “likes” até a tarde desta sexta-feira (26).

“Pessoal, estão querendo incriminar alguém que em toda sua vida pública não teve uma mancha sequer no que diz respeito a corrupção”, dizia o convite. “Peço que vocês deem dislikes nos links do YouTube abaixo.”

Nos grupos pró-Bolsonaro também há grande presença de postagens que apresentam supostas conspirações para prejudicar o capitão reformado.

Algumas das mensagens mais distribuídas dizem, por exemplo, que o grupo radical Hizbullah —que já praticou ataques terroristas antes de adotar a via política no Líbano— e a Venezuela podem interferir nas eleições brasileiras para prejudicar o candidato do PSL.

A análise da atividade dos grupos pró-Bolsonaro mostra também que alguns perfis provavelmente são automatizados.

O número de celular campeão de atividade fez 2.450 postagens nos seis dias, sendo que ele chegou a disparar mensagens durante 32 horas seguidas, sem que houvesse nem uma hora de intervalo entre os envios no período. As mensagens eram enviadas para vários grupos distintos.

Outro número fez 1.400 postagens em um intervalo de uma hora (média de quase uma postagem a cada dois segundos). As mensagens, também enviadas a grupos distintos, eram diferentes entre si, e incluíam textos, imagens e animações.

Já os grupos pró-Haddad e os neutros acompanhados pela reportagem foram invadidos por seguidores de Bolsonaro, que inundaram as discussões com ofensas a Haddad e, dado o volume, impossibilitaram publicações expressivas do grupo original.

Leonardo Diegues , Fábio Takahashi , Daniel Mariani e Marina Merlo

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.