Descrição de chapéu Eleições 2018

Senado tem maior fragmentação da história e 21 partidos terão assento

Dilma, Requião, Marconi, Suplicy, Lobão, Jucá e Eunício foram derrotados

Rogério Gentile Thaiza Pauluze
São Paulo

A eleição de 2018 produziu a maior fragmentação partidária da história do Senado Federal, que abrigará 21 legendas a partir do ano que vem, bem como um grande "não" para velhos conhecidos da política brasileira.

Foram derrotados, por exemplo, a ex-presidente da República Dilma Rousseff (PT), que acabou apenas em quarto lugar em Minas Gerais, e o atual presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB).

Perderam também os ex-governadores Roberto Requião (MDB) e Beto Richa (PSDB), do Paraná, Cristovam Buarque (PPS), do Distrito Federal, Zeca do PT (PT), do Mato Grosso do Sul, Jorge Viana (PT), do Acre, e Marconi Perillo (PSDB), que governou Goiás por quatro mandatos.

Também não obtiveram sucesso os ex-prefeitos Cesar Maia (DEM), do Rio de Janeiro, e José Fogaça (MDB), da cidade de Porto Alegre.

Nas redes sociais, Requião atribuiu a derrota ao "voto útil" da população nos dois vencedores, o professor Oriovisto Guimarães (Podemos), que foi presidente do grupo educacional Positivo, e o também professor Flavio Arns (Rede), com o objetivo de tirar Richa da segunda vaga. "[Sofri do] efeito Bolsonaro e [um] duro ataque de infâmias e calúnias", comentou Requião, na internet.

Outro degolado na disputa deste ano foi Romero Jucá (MDB-RR), que está no terceiro mandato e que foi líder do governo de três presidentes e ministro do petista Lula e do emedebista Michel Temer. Jucá perdeu a eleição por menos de 500 votos.

Também foram derrotados os petistas Lindbergh Farias, somente quarto lugar no Rio de Janeiro, e Eduardo Suplicy, que foi senador por 24 anos e hoje é vereador na cidade de São Paulo.

Não foram eleitos ainda os candidatos da família Sarney no Maranhão: o ex-ministro Sarney Filho (PV) e Edison Lobão (MDB), aliado histórico do ex-presidente. 

Lobão é ex-governador, ex-ministro e atual senador. Foi considerado suspeito, num desdobramento da Lava Jato, de ter recebido propinas de cerca de R$ 5 milhões. Segundo a Odebrecht, o parlamentar também teria ganhado o montante para interferir junto ao governo federal para anulação da concessão da obra referente à Usina Hidrelétrica de Jirau (Rondônia). 

As duas vagas no Maranhão ficaram com os candidatos Weverton (PDT) e Eliziane Gama (PPS), novatos.

Uma das maiores surpresas da eleição deste ano, no entanto, foi a derrota do senador Magno Malta (PR), que não conseguiu se reeleger e ficou em terceiro na disputa ao Senado pelo Espírito Santo.

Malta, que recusou convite para ser vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), é um dos principais aliados do capitão reformado.

Ao longo da campanha eleitoral, Malta manteve-se ao lado do deputado federal, tendo sido um dos primeiros políticos a visitá-lo no hospital após o atentado que ele sofreu no dia 6 de setembro, em Juiz de Fora, Minas Gerais. A derrota de Malta, no entanto, pode ser considerada como um ponto fora da curva. Na esteira de Jair Bolsonaro, vários candidatos com discurso conservador foram eleitos para o Senado pelo país. 

Casos, por exemplo, de Luiz Carlos Heinze (PP), o mais bem votado no Rio Grande do Sul, e o do jornalista Carlos Viana (PHS), o "Datena de Minas", que recebeu apoio de vários líderes evangélicos ligados ao presidenciável do PSL, incluindo o próprio Magno Malta. Na campanha, Viana defendeu, entre outras questões, a redução da maioridade penal e criticou o que chamou de ideologia de gênero. 

Embora tenha perdido sete parlamentares, o MDB continuará a ser o maior partido do Senado Federal, ocupando 12 cadeiras. Na sequência, ficaram o PSDB, com oito, o DEM (7) e o PSD (6).

O PSL de Bolsonaro, que não tinha nenhum parlamentar, ganhou 4 vagas, duas a menos que o PT. Entre os eleitos do PSL estão Flávio Bolsonaro, filho do capitão reformado, e o Major Olímpio, que obteve 8,8 milhões de votos e ficou em primeiro no estado de São Paulo.

Entre os novos partidos que ganharam assento no Senado estão o PHS (2), o PRP (1) e o Solidariedade (1). A despeito do fraquíssimo desempenho da presidenciável Marina Silva nas urnas, a Rede terá 5 senadores. 

O Podemos, de Álvaro Dias, terá o mesmo número, incluindo o próprio candidato, que ainda tem mandato por mais quatro anos na Casa.

A pulverização partidária costuma criar dificuldades para o governo, que precisa negociar com muitos interlocutores para conseguir formar maioria para aprovar seus projetos no Parlamento.

Para efeito de comparação, em 1995, quando Fernando Henrique Cardoso (PSDB) assumiu a Presidência da República, havia 10 partidos no Senado. Em 2003, ano em que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tomou posse no Palácio do Planalto, eram 9 as siglas no Legislativo.

Das 81 cadeiras do Senado, 54 estavam em disputa nesta eleição, duas para cada unidade da federação. Apenas 33 senadores tentaram a reeleição. 

Ao menos 11 senadores disputaram outros cargos, como Ana Amélia (PP), candidata a vice-presidente na chapa derrotada de Geraldo Alckmin (PSDB), e Ronaldo Caiado (DEM), eleito governador do estado de Goiás em primeiro turno. 

Outros 11 senadores não disputaram a eleição porque decidiram deixar a política. 

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.