Tradutor de Bolsonaro, filho de aliado é youtuber e presidente de braço jovem do Lide

André Marinho foi o tradutor de Jair Bolsonaro durante conversa com o presidente dos Estados Unidos Donald Trump

Ana Luiza Albuquerque
Rio de Janeiro

Férias em Miami, Réveillon em Trancoso, carnaval nos camarotes da Sapucaí. André Marinho, 24, vive a rotina de um seleto grupo de jovens da nata da sociedade carioca. O garoto, no entanto, quer alçar voos mais altos. Foi ele quem traduziu a conversa entre o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e o presidente dos Estados Unidos Donald Trump, no domingo (28).

Durante a campanha, as redes sociais de André mostravam com frequência bastidores das filmagens e lives do candidato do PSL. Em setembro, após a facada, o jovem chegou a visitar Bolsonaro no hospital Albert Einstein, em São Paulo. "Vocês realmente acharam que iam acabar com a gente? Tem dois de nós aqui agora, cada vez mais fortes aí, tá ok?", disse em vídeo no hospital, imitando o presidente eleito. 

Mas como um garoto de 24 anos foi parar no círculo de aliados próximos de Bolsonaro? André é filho do empresário Paulo Marinho (PSL), suplente na chapa do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL).

Foi na mansão de Marinho, no Jardim Botânico, zona sul do Rio, que o candidato do PSL gravou seus programas eleitorais.

 
André ao lado do pai e de Jair Bolsonaro
André ao lado do pai e de Jair Bolsonaro - Reprodução/Internet

"Presenciei em primeira mão debates, gravações, carreatas, sabatinas, os desdobramentos do fatídico atentado, reviravoltas, dramas, enfim, história", escreveu André no Instagram, no dia 7 de outubro, primeiro turno, em foto com Bolsonaro, Flávio e Paulo Guedes, guru econômico do presidente eleito. 

Em vídeo publicado na rede social, o garoto diz que sempre foi apaixonado por comunicação e política e que hoje está mais perto de seu objetivo de vida. "Quero levar o meu trabalho para um público ainda maior, através da televisão", afirma.

Egresso da Escola Britânica e do curso de Direito da PUC-Rio, instituições privadas frequentadas pela classe alta, André é presidente do Lide Futuro do Rio de Janeiro, braço jovem da empresa fundada pelo governador eleito João Doria (PSDB). O grupo é conhecido por receber contribuições de empresários para promover encontros com políticos. 

Em vídeo, André afirma que o Lide Futuro tem como objetivo conectar jovens lideranças da cena empresarial carioca. "Estamos em vários setores da economia e temos força para dialogar com o mundo empresarial e o poder público", diz.

O interesse pela política e pela administração pública veio antes da campanha de Bolsonaro. Em dezembro de 2015, encontrou-se com o republicano Jeb Bush, ex-governador da Flórida. Em setembro do mesmo ano, com o ex-presidente Bill Clinton. 

"Bill Clinton é dono de uma aura magnética e de um carisma arrebatador. É um orador popular e um político nato, sui generis, tudo que a sua esposa tenta desesperadamente emular porém falhando pateticamente", escreveu nas redes sociais, em crítica a Hillary Clinton, derrotada por Trump em 2016.

Em março daquele ano, com uma camiseta em homenagem ao juiz Sergio Moro, André participou de manifestação pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). "Varrendo o PT do país!", publicou no Instagram.

Em 2017, o garoto esteve à frente da organização do Festival Musical Universitário, promovido pela Coordenadoria da Juventude Cidadã da Prefeitura do Rio. O concurso selecionou a melhor banda das faculdades públicas e privadas da cidade para se apresentar no Rock in Rio.

Ao lado do pai e do irmão, no mesmo ano, prestigiou o lançamento do RioBook 2017, guia dos atrativos da cidade, que contou com a presença do prefeito Marcelo Crivella (PRB). 

Em agosto de 2016, disse ter representado a Prefeitura em evento que reuniu lideranças empresariais e do setor público para discutir o legado dos investimentos realizados para as Olimpíadas. Um mês antes, sempre de terno e pasta na mão, publicou foto no Centro de Operações da Prefeitura. 

 

Bem relacionado, André foi mestre de cerimônias do último Réveillon na praia de Copacabana. "Imagina um cara de 23 anos, desconhecido do público, em frente a quase três milhões de pessoas, em cima de um palco, no dia em que o mundo inteiro está com o coração cheio de esperança", afirma em gravação na qual lista seus melhores momentos profissionais em 2017. 

Não fica claro nas postagens, no entanto, como o "cara de 23 anos" recebeu o convite para apresentar a festa. Procurado, André não respondeu contato da reportagem.

Desenvolto em frente às câmeras, o jovem criou um canal no Youtube no qual publica vídeos de imitações de políticos. Até o momento, André tem cerca de 13 mil inscritos.

O vídeo mais famoso conta com 225 mil visualizações. Publicado no dia 17 de outubro, André simula uma ligação entre Trump e Bolsonaro. Onze dias depois, a fantasia se tornaria realidade.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.