Descrição de chapéu Folha Informações

Vídeo de pesquisadora do Datafolha em frente a presídio é verdadeiro

Entrevista iniciou em ponto de ônibus e foi interrompida após intervenção de guarda

Amanda Lemos
São Paulo

É verdadeiro o vídeo de pesquisadora em frente ao presídio Corumbaíba, interior de Goiás. O conteúdo foi repassado por leitores para o Folha Informações, canal de checagem de boatos e notícias falsas do jornal.

O vídeo acompanha um texto feito por um policial militar da cidade de Corumbaíba, que tem 9 mil habitantes. “Agora tá explicado porque o PT tem crescido nas pesquisas. E a funcionária do Datafolha não quer ser filmada. Canalhice do Datafolha. Instituto comprado. Esquerdista e vagabundo”, diz parte da mensagem.

Entrevista iniciou em ponto de ônibus e foi interrompida após intervenção de guarda
Entrevista iniciou em ponto de ônibus e foi interrompida após intervenção de guarda - Reprodução

Procurado pela reportagem, o Datafolha confirmou que a pesquisadora é do instituto.

Fazendo uma rápida pesquisa pelo presídio de Corumbaíba em um aplicativo de mapas é possível ver que se trata de um local próximo a supermercados, igrejas, agências bancárias e um hospital, região ideal para realizar entrevistas.

O Datafolha reitera que a pesquisadora estava fazendo seu trabalho corretamente e não descumpriu nenhum procedimento. “Estaria errada se abordasse, por exemplo, o guarda que estava na porta da prisão”, diz.

O procedimento de encerrar a entrevista assim que começou a ser filmada também foi correto. Segundo o Datafolha, os pesquisadores são orientados a não permitir filmagens.

Se recebeu alguma informação que acredita ser falsa, comunique o WhatsApp da Folha (0-xx-11 99486-0293). Pode ser áudio, vídeo, corrente, imagem ou notícia que circule pelo aplicativo ou por redes sociais, como Facebook, Instagram ou Twitter. O jornal faz uma seleção do conteúdo a ser checado e publica o resultado desse trabalho.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.