Após eleger uma 'bancada', MBL rediscute atuação e cogita partido

Movimento que ganhou visibilidade no impeachment de Dilma contabiliza 4 deputados e 2 senadores eleitos

Anna Virginia Balloussier
São Paulo

Quando anunciou sua intenção de disputar a presidência da Câmara em 2019, o deputado eleito Kim Kataguiri, 22, deu uma banana para sua legenda. Se o DEM de Rodrigo Maia, candidato à reeleição, não o apoiar, azar o dele. “Meu partido é o MBL.”

Esculpido nas ruas que em 2016 pediram o impeachment de Dilma Rousseff (PT) e anabolizado nas redes sociais, o Movimento Brasil Livre pode até ter emplacado quatro deputados federais e dois senadores na próxima legislatura, mas se chamar de partido é mais uma ideia do que um status propriamente dito.

Isso pode mudar. Com as urnas apuradas, o grupo liderado por homens na casa dos 20 ou 30 anos contabilizou sua bancada, quase toda de apoiadores do MBL. No Senado, Marcos Rogério (DEM-RO) e Eduardo Girão (Pros-CE). Na Câmara, além de Kim, Zé Mario (DEM-GO), Jerônimo Goergen (PP-RS) e Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), este o representante de Silas Malafaia em Brasília. 

O núcleo duro do MBL fala sobre as conquistas eleitorais do movimento.  Kim Kataguiri (óculos esquerda),  Arthur do Val, do canal Mamãe Falei (centro) e Fernando Holiday (direita)
Dirigentes do MBL: Kim Kataguiri (óculos esquerda), Arthur do Val (centro) e Fernando Holiday (direita) - Karime Xavier /Folhapress

Três coordenadores na linha de frente do MBL viraram políticos de carteirinha, todos pelo DEM: Fernando Holiday foi eleito vereador de São Paulo em 2016, e em outubro conquistaram mandato Kim e Arthur do Val, 32, codinome Mamãe Falei, nome de seu canal virtual —ele ganhou o noticiário e a inimizade de Ciro Gomes ao acusá-lo de lhe dar um tapa na nuca, após provocá-lo. Ciro disse que apenas devolveu: “Deixa de ser um merda, rapaz”.

E agora? Agora o MBL estuda ter uma sigla para chamar de sua, diz à Folha Holiday. Passado o primeiro turno, aconteceu algo inédito na história deste grupo: eles deliberadamente ficaram offline. O núcleo duro do MBL se reuniu num sítio próximo a Jundiaí (SP), sem sinal de internet, com um menu gastronômico (costelas preparadas por um de seus coordenadores, Renan Santos, 34) e outro político: “Repensar e analisar nossas estratégias até aqui, tendo em vista o resultado das eleições”, afirma Holiday.

A ideia inicial era “ser uma nuvem além dos partidos”, mas hoje eles debatem se ter uma sigla própria é melhor. “As pessoas gostam de identificar seus ideais com um número”, do 17 de Jair Bolsonaro ao 13 do PT, diz o vereador.

Começar um partido do zero “é nossa última opção”, mas não descartada de antemão. A alternativa mais viável, segundo Kim, seria adotar “uma legenda que já exista, mas tenha morrido por causa da cláusula de barreira”. O retiro do MBL era praticamente masculino. A exceção: Francine Galbier,  25, que coordena conteúdos virtuais do movimento. Com Pedro Ferreira, 35, que se divide entre ativista político e funkeiro  na banda Bonde do Rolê, ela levou um boneco de Bolsonaro com uma suástica desenhada na camisa à avenida Paulista, antes do segundo turno. O plano: incentivar transeuntes a esfaquear o boneco.

O jornalista Fernando Mola, um dos interpelados, os acusou de tentar “gerar imagens de violência da esquerda pra inflamar o país” na mesma semana em que o país registrou mais de 50 agressões ligadas a discussões eleitorais, a maioria vinda de bolsonaristas.

Pedro diz que “não houve estímulo a facadas, mas indagações para verificar a disposição do público a agredi-lo”. Seja como for, Francine estava de prontidão para gravar eventuais ataques ao boneco.

Eis a mina de ouro que o grupo, ações que possam ser capitalizadas nas redes sociais. Eles têm o próprio canal de notícias, MBL News, com manchetes à direita, como “internet ironiza falta de apoio feminista à juíza Gabriela Hardt” (que herdou de Sergio Moro o caso de Lula).

Em novembro veio o editorial “4 Anos de MBL, o Movimento Político Mais Odiado do Brasil”, que exalta “o uso de figuras pop e memes para rechear suas ações”, entre elas chamar a Carreta Furacão (dançarinos fantasiados como Fofão, Bozo etc.) para celebrar a queda de Dilma.

Mas a meta, afirma Holiday, é dar um ar menos moleque ao portal, fornecendo a fonte da informação de materiais publicados. “Antes a gente postava ‘fulano peida na farofa’ para falar de alguém”, lembra. Não que o humor vá sair da sala, diz Kim, que em seu Twitter se descreve como “o mais cabeludo dos 893 líderes do MBL”, além de fã de “Coca-Cola e tripartição do Poder”.

O MBL até equipe de “memeiros” tem, que recentemente divulgou uma paródia da ilustração de mãos dadas que a esquerda viralizou após a vitória de Bolsonaro —a legenda original, “ninguém solta a mão de ninguém”, virou “ninguém solta o Lula da prisão”.

O foco nas redes sociais guiará inclusive a atividade parlamentar, afirma Holiday. Abraçar causas como a extinção do Tribunal de Contas do Município é “uma pauta polêmica” que “gera engajamento na internet”.

Logo, a cara do MBL. Segundo Kim, a expectativa é com uma forcinha da internet eles elejam “centenas de vereadores” em 2020 e, dois anos depois, “uma bancada liberal bastante expressiva”.

“A atuação do MBL nas redes tem sido marcada pela defesa de uma agenda mais conservadora do que propriamente liberal”, diz o antropólogo Lucas Bulgarelli, que desenvolve na USP a tese de doutorado “Engajamentos Políticos sobre Gênero e Sexualidade entre Evangélicos Neopentecostais, Apoiadores do MBL e Simpatizantes de Bolsonaro”.

Caso do apoio que o grupo dá ao Escola sem Partido e as “ações insistentes de difamação da mostra Queermuseu”. Segundo Bulgarelli, o MBL investe num “amálgama que relaciona Lula, comunismo, doutrinação de gênero, corrupção e Venezuela, geleia útil que atrai novos seguidores, pois esse universo de pontos a serem combatidos tem forjado um modo próprio de se reconhecer de direita”.

Os convidados do 4º Congresso Nacional do MBL, que acontece sexta (23) e sábado (24), dão uma boa amostra desta justaposição de conservadorismo (Danilo Gentili) e liberalismo (Paulo Guedes).

O berço liberal do movimento se alinha ao ideário do economista de Bolsonaro. Apelidado pelos colegas de Anão Marombado, Arthur do Val diz que um de seus focos enquanto deputado estadual será lutar contra o que cê como excesso de direitos trabalhistas e sindicatos. “Se fosse eu, rasgava a CLT e deixa as pessoas livres para empreender.” 

O MBL não está sempre em sintonia. Alguns membros, por exemplo, defendiam apoio mais incisivo a Bolsonaro. Como Holiday, para quem, “independente de abraçarmos ou não, o que acontecer com este governo cai na conta de toda a direita”. Venceu a postura de independência. Não confundir com oposição.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.