Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro diz que Magno Malta pode ir para 'ministério da família' e general Heleno para GSI

Presidente eleito disse ainda que as Forças Armadas ocuparão papel de destaque em seu governo

Joelmir Tavares
Brasília

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), disse nesta terça-feira (6) que o senador Magno Malta (PR-ES) pode fazer parte de sua equipe, como titular do "ministério da família", mas não confirmou se o parlamentar será nomeado para a pasta. 

"É possível", limitou-se a falar, na saída de uma visita de cortesia à Marinha, em Brasília. "A questão da família é importante, fez parte do nosso projeto. E a família tem que ser preservada", disse.

"E família para mim é aquela que está prevista no artigo 226, parágrafo terceiro, da Constituição”, seguiu Bolsonaro, referindo-se ao artigo segundo o qual só é reconhecida como entidade familiar "a união estável entre o homem e a mulher" —o que exclui casais homoafetivos.

A Folha antecipou no último dia 31 de outubro que Malta, que não conseguiu a reeleição para o Senado, poderia ocupar o novo ministério, que abarcaria as atuais pastas de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos.

O senador Magno Malta (PR-ES), cotado para assumir 'ministério da família' no governo Bolsonaro
O senador Magno Malta (PR-ES), cotado para assumir 'ministério da família' no governo Bolsonaro - Pedro Ladeira - 31.out.2018/Folhapress

O futuro presidente também indicou que nomeará o general Augusto Heleno para o GSI (Gabinete de Segurança Institucional).

"Quem é que vai se dar ao luxo de se privar da companhia de uma pessoa como o general Heleno?”, disse, abraçando o militar, que o acompanhava no compromisso.

"No que depender de mim, ele irá para o GSI, mas a Defesa está aberta para que ele... Se ele achar que é melhor na Defesa, tudo bem”, continuou.

Diante de perguntas dos repórteres, despistou sobre o anúncio de novos nomes de sua equipe, mas disse que até o fim do mês seu ministério estará nomeado.

Haverá alguma mulher?, quis saber um jornalista. “Olha, vai me perguntar se vai ter algum homossexual? Eu não sei. Nós já temos cinco [ministros] definidos. No caso vamos tirar um desses e botar uma mulher só porque é mulher?”

"Pode ser, pode ter, com toda certeza vai ter [mulher]", concluiu.

O presidente eleito reiterou que busca para postos de comando em sua gestão um perfil técnico. Cada escolhido deverá, segundo ele, ser da área do ministério, ser patriota, ter iniciativa e possuir competência.

Bolsonaro disse ainda que as Forças Armadas ocuparão papel de destaque em seu governo. “Nunca deveriam não ter lugar de destaque. As Forças Armadas são as guardiãs da nossa Constituição e as que respondem em última análise se a gente vive numa democracia ou não”, afirmou. 

"Obviamente temos uma profunda admiração pelas Forças Armadas. Ocuparão lugar de destaque e voltarão a fazer parte da mesa ministerial, mesmo na informalidade se for o caso”, afirmou.

O presidente eleito disse que ficará em seu apartamento funcional de deputado no período de transição e que recusou o convite para ficar na Granja do Torto.

"Eu tô no apartamento funcional. Não recebo mais auxílio-moradia, tá Ok?, há algum tempo”, afirmou.

"O Brasil está numa situação muito complicada. O que estou dizendo aos parlamentares é que estamos no mesmo barco. Não é porque estamos na Marinha, mas estamos no mesmo barco. E não queremos afundar”, brincou.

Ao entrar no prédio, Bolsonaro foi recebido pelo comandante da Marinha, almirante Leal Ferreira. 

Durante a chegada da comitiva, a porta de vidro foi fechada após a passagem do presidente eleito, mas antes da entrada do vice dele, general Hamilton Mourão. Quando Mourão foi avistado pelo lado de dentro, oficiais abriram imediatamente a porta.

Egito e China

Bolsonaro voltou a falar que as relações exteriores em seu encontro serão sem viés ideológico. Disse que seu encontro nesta segunda (5) com o embaixador da China no Brasil, Li Jinzhang, foi positivo e que o diplomata "saiu muito bem impressionado".

"Vamos ampliar nosso comércio. Reafirmei que não teremos qualquer comércio com viés ideológico. Não é direita nem esquerda, é a economia do Brasil que interessa", afirmou.

Ele, que mais cedo se recusou a comentar o cancelamento de uma visita que seria feita pelo governo brasileiro ao Egito, deu uma resposta breve ao ser questionado novamente. 

"Pelo que eu vi, é questão de agenda. Acho que seria prematuro um país anunciar uma retaliação sobre uma coisa que não está decidida ainda."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.