Não tem guinada à direita no PSDB, diz Alckmin

Para o tucano, partido é de 'centro, reformista, moderno, liberal em economia'

Marco Rodrigo Almeida
São Paulo

Candidato tucano derrotado na eleição presidencial, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin disse que o PSDB não passa por processo de guinada à direita.

"Não há guinada à direita. O PSDB é um partido de centro. É importante para o Brasil ter um partido longe dos extremos. Um partido de centro crítico, reformista, moderno, liberal em economia", disse ele.

No segundo turno das eleições, João Doria, eleito pelo PSDB governador de São Paulo, declarou apoio entusiasmado a Jair Bolsonaro (PSL), eleito para a Planalto, o que acarretou especulações de que os tucanos adeririam à agenda de direita do capitão reformado do Exército. Doria cunhou na disputa a expressão "Bolsodoria".

O ex-governador de São Paulo e presidenciável derrotado Geraldo Alckmin, atual presidente do PSDB
O ex-governador de São Paulo e presidenciável derrotado Geraldo Alckmin, atual presidente do PSDB - Evaristo Sá - 9.out.2018/AFP

Alckmin ficou em quarto lugar no primeiro turno, o pior resultado da história do PSDB.

Também presidente de seu partido, Alckmin disse que os tucanos farão um congresso nacional, provavelmente em maio, para discutir o futuro da sigla.

Alckmin esteve na noite desta segunda (12) no lançamento de livro do ministro do STF Gilmar Mendes, em São Paulo.

Pouco depois de o ex-governador ter ido embora, o senador José Serra, outro nome histórico do partido, chegou ao evento.

Serra afirmou a jornalistas que não faz mais sentido ficar discutindo classificações como esquerda e direita.

"Isso não é problema. O problema é trabalhar direito, de maneira positiva para o país. Não se trata de fazer oposição a priori. Trata-se apenas de votar nas coisas que consideramos importantes e não aceitar as coisas que consideramos ruins."

Perguntado sobre a influência de Doria no PSDB, Serra disse que não comentaria esse assunto.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.