Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Preferi pagar o preço alto da derrota a me omitir, diz Marina Silva

Para ex-presidenciável, Bolsonaro precisa respeitar Constituição, sem 'defesa seletiva'

Joelmir Tavares
Brasília

Marina Silva (Rede) recebeu a Folha na sede nacional da Rede, em Brasília, pouco depois de uma reunião com Ciro Gomes (PDT), seu adversário no primeiro turno da eleição presidencial. O tema da conversa dos dois: Jair Bolsonaro (PSL) e o governo que se inicia em janeiro.

A ex-senadora e o ex-ministro derrotados pelo deputado federal falaram na quarta-feira (7) sobre a articulação de um bloco de oposição ao futuro presidente sem a participação do PT.

Refletindo sobre sua terceira campanha presidencial consecutiva, Marina disse que a derrota —teve 1% dos votos e amargou o oitavo lugar— tirou dela o peso das cobranças para ser candidata novamente. "Eu preferi correr o risco de sair e pagar o preço por isso a ter me omitido para ficar com a imagem de 22 milhões de votos", afirmou.

 

O que aconteceu com a campanha da sra.?  Foi uma campanha num cenário extremamente polarizado, e a sociedade tinha muitas alternativas. Houve uma escolha pelos extremos, e eu nunca me coloquei nesse lugar. Talvez, de todas as candidaturas, a minha era a que buscava ser um polo de mediação.

Existem posições que podem ser derrotadas eleitoralmente, mas isso não significa que não estejam certas. Eu não acredito na cultura do ódio, não acredito que para se ganhar uma eleição se tenha que lançar mão de fake news, de agressividade. Eu repito: só quero ganhar se for para ganhar ganhando. Isso tem um preço, e o preço foi alto.

Numa democracia, você oferece aquilo em que acredita, e as pessoas têm o direito de escolher outra coisa. Escolheram outra coisa. E eu respeito. Acredito na democracia e na política como forma de resolver os problemas e vou continuar lutando pela pacificação. Se isso tem adesão, eu não sei.

As causas da derrota seriam uma soma do clima de polarização, da falta de estrutura da Rede e de críticas plantadas contra a sra. em 2014?  Tem muitos elementos. Não quero ter uma visão reducionista. É significativo [sair] de 22 milhões de votos para 1 milhão de votos. Agora, eu sou como Jó: Deus dá, Deus tira, louvado seja Deus. Sempre tive um discurso de que ninguém é dono de voto. O voto é do cidadão, do eleitor. Ele dá num determinado momento e recolhe em outro e direciona para quem ele acha que deve dar.

A sra. falou no lançamento da candidatura que seria uma campanha "em situação bem mais difícil" do que nas duas vezes anteriores. Já previa esses problemas?  Sim, todas as dificuldades, de estrutura, da postura, do discurso. A demanda era por algo na lógica de uma polarização extrema, tóxica. Eu tinha muita consciência das dificuldades.

Por que então manteve a ideia de sair candidata?  Por coerência. No momento em que mais se precisava de algo que no meu entendimento ajudaria a promover a união, a estabelecer um novo parâmetro para a governança do Brasil, eu não iria sair?

Eu preferi correr o risco de sair e pagar o preço por isso a ter me omitido para ficar com a imagem de 22 milhões de votos. Se já é feio especular com dinheiro, imagine especular com credibilidade política.

Foi difícil para a sra. apoiar um candidato do PT, seu antigo partido, no segundo turno?  Olha, eu fiz um apoio ao professor Fernando Haddad.

Que é do PT.  Sim. Mas a minha declaração de voto foi pessoal. Eu poderia ter seguido as possibilidades da Rede, que recomendou não votar em Bolsonaro, mas colocou como opções se abster ou votar nulo ou branco.

Mas, coerente com as minhas posições de defesa dos índios, da democracia e do meio ambiente, eu enxerguei na candidatura de Bolsonaro um risco imediato para essas questões. E o candidato Haddad não era, em si mesmo, uma ameaça de curto prazo a essas questões.

Muita gente achava que a mágoa que ficou de 2014 pudesse impedir um apoio ao PT no segundo turno.  Eu não trabalho com mágoas.

Houve na época um processo agudo de desconstrução da candidatura da sra.  De tentativa de aniquilação. Mas a gente tem que fazer política olhando de baixo para cima, e não de cima para baixo. Para ver o que está acima de nós. E neste momento a defesa do meio ambiente, das comunidades indígenas e da democracia está acima de nós.

Espero que Bolsonaro mude, porque já disse que não demarcaria um centímetro de terra indígena e insinuou que as terras são grandes demais. Espero que isso não signifique que pode rever as que já foram demarcadas.

Que razões a sra. crê que levaram a uma alta na rejeição ao seu nome nas pesquisas?  Não sei, não tenho os elementos agora para fazer análise, e talvez os especialistas consigam fazer melhor isso. Mas, intuitivamente falando, você tinha dois grandes blocos que foram para o segundo turno, e os dois bombardeavam exatamente o seu oposto.

E é um processo que não é de agora, vem de 2014. Não foi cessado mesmo no intervalo de quatro anos, inclusive com toda a lógica de que eu havia sumido. Eu estava o tempo todo na cena política brasileira, mas não com o discurso da polarização.

Como a sra. pretende fazer oposição e não sofrer novamente a acusação de sumiço?  A acusação carece de prova. Quem acompanha as minhas redes sociais e vocês [jornalistas], com quem eu falo o tempo todo, poderiam dizer que isso não é sumiço, é só uma outra fala, um outro lugar de fala.

Continuarei fazendo oposição na sociedade. Estive o tempo todo em lutas como a do Código Florestal, a cassação da chapa Dilma-Temer, contra o foro privilegiado. No Congresso, estamos em discussão com outros partidos para uma oposição democrática.

Pretende disputar outras eleições?  Eu dei uma contribuição em três eleições e estou com 60 anos de idade. Eu não me sentiria bem se não tivesse feito o que fiz agora. Muita gente me aconselhou a não ser [candidata] porque era bom que eu preservasse o, entre aspas, capital político.

Agora eu estou plena para contribuir com a política sem essa cobrança que de alguma forma tinha sobre mim, e talvez eu mesma [me colocasse], por causa desses bônus eleitorais que ficaram de 2010 e de 2014.

Acho que os eleitores brasileiros me deram neste ano, digamos, essa leveza de poder ter um tempo muito longo para decidir qual é a natureza da minha contribuição daqui para a frente. De certa forma, me desincompatibilizaram do peso de ter que ficar manejando esses resultados.

E candidatura para outros cargos?  Não tenho nenhuma avaliação sobre isso. A única coisa que eu sei é que o momento pede uma ação política menos tóxica por parte das lideranças, que a gente possa se encontrar com a sociedade.

Acha que Bolsonaro pode, de fato, representar um risco para as instituições democráticas, com possibilidade de volta do autoritarismo?  Os 30 anos de Constituição cidadã criaram no Brasil uma argamassa que refuta qualquer coisa dessa natureza. Temos é que evitar toda e qualquer desqualificação da democracia, que não se dá apenas por golpes, mas também por erosão dos processos, da transparência, dos direitos já conquistados.

Aliás, a defesa da Constituição não pode ser seletiva. Na mesma Constituição que tem a defesa do Estado brasileiro tem também a defesa dos cidadãos. Quando eu levanto a Constituição e digo que isso aqui é o norte, em um minuto de discurso [referindo-se ao que Bolsonaro fez nesta semana], eu espero que seja toda a Constituição. A mesma que defende os índios, a liberdade de imprensa, os direitos de quem crê e de quem não crê.

A sra. elogia o trabalho de Sergio Moro e da Lava Jato. A ida dele para o governo pode ser um revés na imagem da operação?  Tenho um respeito muito grande pelo trabalho da Lava Jato e pelo processo que ele liderou com o Ministério Público. A corrupção é um processo institucional e só pode ser combatida de forma institucional. E aqueles que querem acabar com o combate à corrupção também querem fazer isso de forma institucional, com tentativas de freá-lo no Congresso. A ida do Moro colocou agora um teste de fogo, que é o combate institucional à corrupção.

Então a sra. vê um avanço, já que haveria uma institucionalização do combate à corrupção?  Não, não estou dizendo que é avanço nem retrocesso. Eu estou dizendo que há um teste de fogo, certo? E o ministro vai se deparar com questões bastante polêmicas, além da corrupção. Ele já disse que tem divergência com alguns pontos de vista do presidente.

A nomeação cria algum tipo de suspeição sobre o legado dele na Lava Jato?  Olha, a suspeição pode se desmontar na prática. O critério de qualquer coisa é a prática. Até agora foram investigadas pessoas de todos os partidos e de diferentes empresas.

A Rede conversa com PV e PPS sobre eventual união. Como estão os processos?  As direções partidárias estão dialogando. O PPS já vem num processo de refundação, de incorporar movimentos, e nos procurou para dizer que está aberto a essa possibilidade. Mas são conversas iniciais. Seguimos dialogando também com o PV, com Eduardo Jorge [que foi vice dela] eu falo sempre. A Rede fará um congresso para tomar qualquer decisão.

A Rede vai acabar?  No momento não é possível fazer fusão, porque a lei exige no mínimo cinco anos de registro do partido para isso. Eu não advogo que seja o fim do legado da Rede. Num momento de escassez de inovação e de novas possibilidades, a Rede é um espaço de resistência política.

A Rede elegeu apenas uma deputada federal e não atingiu a cláusula de barreira, o que ameaça o futuro do partido. Daria para ter feito algo diferente para eleger mais deputados?  Com certeza, temos dificuldades de natureza estrutural. Poucos recursos, pouco tempo de televisão, as nossas escolhas programáticas fizeram com que a gente não fizesse alianças pensando em apenas eleger por eleger.

Se os candidatos ao Senado tivessem saído para a Câmara dos Deputados, o resultado poderia ter sido diferente, mas há o respeito à vontade das pessoas. Elegemos cinco senadores, e por pouco não foram seis. Com certeza, essa bancada dará uma contribuição relevante para a política.

A sra. falou muito durante a campanha sobre ter esperança. Está esperançosa?  Eu acredito na capacidade que temos de acreditar criando, e acreditar tem a ver com esperança. Se criarmos o que queremos ver realizado, então há, sim, esperança. Agora, a esperança ingênua, inativa, aí fica difícil.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.