'Estava ajudando a construir um novo Brasil', diz Onyx sobre verba pública na campanha de Bolsonaro

'Tenho a prerrogativa e direito de andar no lugar do Brasil que eu quiser', diz ministro

O futuro ministro da Casa Civil do governo Bolsonaro, Onyx Lorenzoni
O futuro ministro da Casa Civil do governo Bolsonaro, Onyx Lorenzoni - Pedro Ladeira - 6.dez.18/Folhapress
Brasília

O futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que utilizou dinheiro público para fazer campanha ao presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) porque estava "ajudando a construir um novo Brasil".

Neste domingo (30), a Folha revelou que há no sistema da Câmara informação de reembolso para o deputado de mais de 70 bilhetes cuja origem ou destino são aeroportos do Rio e São Paulo, somando R$ 100 mil.

As regras da cota de atividade parlamentar —verba que congressistas têm para atividades do dia a dia— não permitem o uso para fins eleitorais.   

"Eu não tenho que me defender de nada. Primeiro, tudo que eu fiz, é público. Segundo, está tudo dentro, rigorosamente, da legislação da Câmara. Eu desafio, me mostra uma passagem paga pela Câmara para a minha campanha a deputado federal no Rio Grande do Sul. Mas enquanto congressista e deputado [federal], eu tenho a prerrogativa e direito de andar no lugar do Brasil que eu quiser e eu estava ajudando a construir o que hoje nós estamos vivendo: a transição para um novo futuro para o nosso país e para um novo Brasil", afirmou o futuro chefe da Casa Civil para a rádio Gaúcha nesta segunda (31). 

Apesar de dizer que está "tudo dentro da legislação", ato da Mesa Diretora é claro em dizer que a cota é “destinada a custear gastos exclusivamente vinculados ao exercício da atividade parlamentar”.

Desde 2017, Onyx integra o grupo de parlamentares que coordenou a pré-campanha e a campanha de Bolsonaro.

Na entrevista, ele também atacou a Folha.

"A Folha de S.Paulo é um desses veículos que não se convenceu com a vitória do Bolsonaro. E está no terceiro turno. Bem-vindos ao terceiro turno. Mas a gente não se assusta, porque sabemos que estamos com a verdade. Eu tenho tranquilidade absoluta. O bom para a Folha era o Haddad e o PT de volta", disse. 

As viagens de Onyx para São Paulo e Rio que foram reembolsadas pela Câmara se tornaram mais frequentes à medida que a campanha se intensificava, a partir de julho. Uma equipe de coordenadores de campanha de Bolsonaro trabalhava em São Paulo.

As duas cidades também se tornaram QG da campanha porque o então candidato ficou 23 dias internado no Hospital Albert Einstein, em setembro, após ter sido esfaqueado. Quando teve alta, foi para sua casa no Rio, onde ficou até o fim da eleição.

Em entrevista coletiva na semana passada, ele disse que abrirá mão de seu cartão corporativo e comentou também sobre viagens em avião da FAB (​Força Aérea Brasileira). 

“Eu vou abrir mão do meu cartão corporativo. Mas acabar com ele ainda é uma coisa que vai ser discutida. Aquela coisa de pagar jantar, pagar vinho, pagar uísque não sei quantos anos, nesse governo não vai ter não”, afirmou. 

“Eu vou dar meu exemplo pessoal. Desde que eu fui nomeado ministro da transição, eu poderia ter usado avião da FAB, eu nunca fiz isso”, disse.

Onyx foi questionado pela Folha sobre a utilização de dinheiro da Câmara para deslocamentos fora das regras permitidas pela Câmara, mas não respondeu até a publicação da reportagem.

Bolsonaro também usou sua cota parlamentar para custear viagens pelo país em 2017 e, no primeiro semestre deste ano, para participar de eventos em que era mencionada sua pré-candidatura à Presidência. 

Na época, seu chefe de gabinete afirmou que o deputado não estava em campanha “seja para qual cargo for” e que as despesas ressarcidas pela Câmara “foram realizadas em consonância com os preceitos legais e regimentais.”​​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.