FHC diz lamentar que 'pedras sejam lançadas' antes que novo governo comece

Ex-presidente afirma, nas redes sociais, que sem confiança é 'impossível reconstruir o país'

São Paulo

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse neste sábado (15), nas redes sociais, que lamenta o que chamou de pedras lançadas contra o futuro governo Jair Bolsonaro.

A manifestação do ex-presidente foi publicada em meio à polêmica do relatório que identificou movimentações financeiras atípicas na conta de um ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente eleito.

"Diariamente há pessoas acusadas de corrupção ou mal [sic] uso de dinheiro público. Lamento que antes de começar o novo governo pedras sejam lançadas", disse FHC, em sua página no Twitter.

"É preciso verificar, antes de condenar, mas sem confiança e credibilidade impossível reconstruir o país, como a maioria do povo deseja."

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso - Keiny Andrade - 29.ago.2018/Folhapress

Um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) produzido em desdobramento da Operação Lava Jato no Rio indicou movimentação financeira atípica do ex-assessor parlamentar e policial militar Fabrício José Carlos de Queiroz, que movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, de acordo com o relatório do órgão. O caso foi revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

A conta de Queiroz recebeu depósitos de dinheiro em espécie sempre após o dia de pagamentos na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). Ele realizava saques dias depois, caracterizando uma conta de passagem, na qual o real beneficiário do dinheiro não é o seu titular.

A suspeita é de que o policial militar fosse o responsável por recolher parte dos salários de servidores do gabinete de Flávio Bolsonaro, uma prática comum no Legislativo. O senador eleito, deputado estadual há 15 anos, nega o caso.

Também nas redes sociais, Flávio Bolsonaro disse que não fez nada de errado e é "o maior interessado em que tudo se esclareça pra ontem".

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.