Descrição de chapéu
Governo Bolsonaro

Acuado, Bolsonaro agora é que precisa da TV Record

Em nova entrevista, presidente apelou ao jornalismo 'fofo' para conter crise sobre filho

Nelson de Sá
São Paulo

A mais recente entrevista de Jair Bolsonaro (PSL) à Rede Record, na quarta (23), no rastro do agravamento do escândalo do filho e do cancelamento às pressas de uma entrevista coletiva em Davos, não foi como as outras. 

Estabelece uma mudança na relação entre o político e a emissora. Até então, ele e familiares falavam à Record como falavam também a SBT, Bandeirantes ou Rede TV! Independentemente das perguntas, eram entrevistas disputadas.

O presidente Jair Bolsonaro em evento no palácio do Itamaraty, em Brasília
O presidente Jair Bolsonaro em evento no palácio do Itamaraty, em Brasília - Pedro Ladeira/Folhapress

Agora é Bolsonaro quem apela a Edir Macedo. O presidente da República precisa da Record, segunda televisão do país, financiada e controlada de perto por uma organização religiosa.

Não é mais o candidato que quase venceu no primeiro turno sem tempo de propaganda e sem apoio de telejornal. Que viu o mesmo Macedo surgir aos trancos para apoiá-lo, a dias da votação, abandonando Geraldo Alckmin (PSDB).

A sequência de revelações bombásticas envolvendo Flávio Bolsonaro, envolvendo ainda a primeira-dama Michelle e o próprio presidente, confundiram e dividiram sua base digital, construída em plataformas como WhatsApp.

Era essa sustentação que o tornava independente da TV tradicional, até das emissoras que se ofereciam seguidamente a ele, como a Record. Uma independência que se perdeu em três semanas, na primeira crise.

A entrevista foi como as anteriores, rastejantes, feitas pelo jornalismo da Record com Bolsonaro, Flávio e Michelle. Talvez a descrição definitiva tenha sido aquela dada no domingo (20) pela primeira-dama, no final.

Depois de não ser questionada sobre o depósito de Fabrício Queiroz em sua conta, ela viu o repórter Eduardo Ribeiro agradecer em linguagem de sinais, pela longa conversa fiada, e não se conteve: "Ai, que fofo!".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.