Conheça 11 curiosidades do Datafolha sobre a avaliação de deputados e senadores

Otimismo em relação aos eleitos diminui conforme renda, escolaridade, região e outros recortes

Carolina Linhares
São Paulo

O maior otimismo dos últimos anos com a atuação dos deputados federais e senadores que tomarão posse em 1º de fevereiro aparece com menos força entre nordestinos, petistas, homossexuais, seguidores de religiões afro-brasileiras, mais escolarizados e mais ricos. 

Pesquisa Datafolha feita na segunda quinzena de dezembro aponta que 56% dos entrevistados dizem acreditar que os novos congressistas terão um desempenho ótimo ou bom, número impulsionado por aqueles que votaram e/ou demonstram otimismo com o governo de Jair Bolsonaro (PSL).

Apenas 8% consideram que o desempenho será ruim, e 28% apostam que será regular. 

Em relação ao Congresso atual, a rejeição diminuiu em comparação a 2017: de 60% para 48%. Um total de 13% veem que os deputados e senadores eleitos em 2014 tiveram desempenho ótimo ou bom e, para 36%, foi regular. 

Essa avaliação também varia conforme religião, idade, escolaridade e renda. 

O Datafolha entrevistou 2.077 pessoas nos dias 18 e 19 de dezembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Abaixo, veja 11 curiosidades da pesquisa.

1- EXPECTATIVA POSITIVA COM NOVO CONGRESSO É MENOR NO NORDESTE

Na região eleitoralmente mais avessa a Jair Bolsonaro (PSL), 47% esperam um novo Congresso ótimo ou bom. No Centro-Oeste e Norte o índice chega a 64%. A média é de 56%.

2 - SIMPATIZANTES DE PSDB E PSL NÃO ACHAM QUE PRÓXIMOS PARLAMENTARES TERÃO DESEMPENHO RUIM

Um total de 8% dos brasileiros creem que os novos senadores e deputados terão desempenho ruim ou péssimo. Entre os que preferem o PSDB, o índice é zero. Entre os que preferem o PSL, é de 1%. Para os petistas, chega a 12%.

Os tucanos chegam a ser mais otimistas (73%) do que os simpatizantes do PSL (67%).

3 - HETEROSSEXUAIS E HOMOSSEXUAIS CONCORDAM NA AVALIAÇÃO DOS CONGRESSISTAS ATUAIS, MAS DIVERGEM NA EXPECTATIVA DOS PRÓXIMOS

Homossexuais e heterossexuais concordam que os parlamentares atuais tiveram desempenho ruim ou péssimo ---47% e 48%, respectivamente. Já para a próxima legislatura, 8% dos heterossexuais apostam em desempenho ruim ou péssimo. Para os homossexuais, esse índice chega a 18%. 

4 - ELEITORES DE BOLSONARO ESTÃO MAIS ANIMADOS COM NOVO CONGRESSO DO QUE ELEITORES DE HADDAD

Para os eleitores de Fernando Haddad (PT), os deputados e senadores eleitos terão desempenho ótimo ou bom (41%) e ruim ou péssimo (16%). Entre os eleitores de Jair Bolsonaro (PSL), os índices são 69% e 3% respectivamente.

5 - ESPÍRITAS E SEM RELIGIÃO TÊM PIOR AVALIAÇÃO SOBRE CONGRESSO ATUAL

Enquanto 48% dos brasileiros avaliam a atuação do Congresso atual como ruim ou péssima, esse número sobe para 64% entre espíritas e 59% entre os sem religião.

6 - CATÓLICOS E EVANGÉLICOS SÃO OTIMISTAS COM SENADORES E DEPUTADOS ELEITOS EM 2018

Para 6% dos católicos e evangélicos, o novo Congresso será ruim ou péssimo. Entre os neopentecostais o índice é de apenas 2%, enquanto a taxa de ótimo ou bom é de 61%. 

7 - QUANTO MAIOR A ESCOLARIDADE, PIOR A AVALIAÇÃO DO CONGRESSO

Enquanto 48% consideram o Congresso ruim ou péssimo, o índice sobe para 62% entre aqueles com nível superior. Para os mais escolarizados, a avaliação de ótimo e bom é de 6%, enquanto a média é de 13%. 

8 - MAIS ESCOLARIZADOS TAMBÉM SÃO MENOS OTIMISTAS COM ELEITOS

Para 56% da população, os novos deputados e senadores eleitos em 2018 terão um desempenho bom ou ótimo. Apenas 8% consideram que será ruim ou péssimo. Já entre os brasileiros com nível superior, 48% esperam atuação ótima ou boa e 15% esperam atuação ruim ou péssima. 

9 - AVALIAÇÃO RUIM DO CONGRESSO CRESCE CONFORME A RENDA 

Sessenta por cento dos brasileiros com mais de dez salários mínimos vê o desempenho dos atuais deputados e senadores como ruim ou péssimo. Essa avaliação, que é de 48% na média, aumenta conforme cresce a renda do entrevistado.

10 - MAIS RICOS TAMBÉM ESPERAM MENOS DOS NOVOS PARLAMENTARES

Entre os brasileiros com renda superior a dez salários mínimos, 18% esperam um desempenho ruim ou péssimo dos deputados e senadores eleitos. Na média, o índice é de 8%. 

11 - MAIS JOVENS CONSIDERAM O CONGRESSO REGULAR

Cerca de metade da população (48%) considera o Congresso ruim ou péssimo, e 36% o consideram regular. Entre os mais jovens, de 16 a 24 anos, a proporção se inverte: 50% avaliam os parlamentares como regulares e 34% como ruim ou péssimo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.