Em MG, Zema expõe fotos de Pimentel para 'demonstrar desperdício de dinheiro'

Governo isolou fotos institucionais no chão da Cidade Administrativa e adicionou cartaz

Carolina Linhares
São Paulo

O governo de Romeu Zema (Novo), de Minas Gerais, expôs no hall da Cidade Administrativa, sede do governo e local onde funcionam as secretarias de estado, pilhas de quadros com a foto do ex-governador Fernando Pimentel (PT)

As caixas com as imagens institucionais, que geralmente são penduradas nas paredes das repartições públicas, foram colocadas no chão e cercadas com um cordão de isolamento do governo. 

No local, por onde circulam centenas de servidores, há ainda um cartaz onde se lê: "Este tipo de desperdício com dinheiro público não pode mais acontecer!". 

Nesta quarta (23), Zema divulgou um vídeo em suas redes sociais afirmando que sua equipe encontrou, na Cidade Administrativa, uma sala com "centenas de molduras e fotografias daqueles quadros que eram colocados nos órgãos públicos com a foto do governador".

O governador disse que isso não existirá em sua gestão. "Eu não quero minha foto afixada em lugar nenhum. Eu quero que esse dinheiro que é gasto aqui seja gasto em medicamento, para arrumar estrada, em escolas. Isso é o que o povo mineiro quer, e não ficar endeusando alguém que foi eleito."

Um dia depois, o governo levou o material para o hall. "A iniciativa da exposição foi para demonstrar aos servidores o desperdício do dinheiro público", disse a assessoria de Zema em nota. 

O PT divulgou uma nota de repúdio afirmando que a exposição das fotos é uma "atitude antidemocrática, demagógica, desnecessária e de uma total falta de bom senso e de respeito". Diz ainda que o ato é "sem propósito e com ares de populismo barato". 

O partido diz que as fotos oficiais existem desde os tempos do Império e que, em Minas, 54 governadores fizeram fotos oficiais para serem pregadas em órgãos públicos. 

"Com a clara intenção de difamar o ex-governador, a exposição do material, inclusive com um cordão de isolamento, demonstra não somente o desrespeito da atual gestão, mas, principalmente, a falta de informações básicas do governo recém-empossado sobre itens institucionais, protocolares e de cerimonial da administração pública, quiçá sobre a própria história do Brasil", diz a nota. 

O governo Zema afirmou que não irá comentar as críticas. 

Minas Gerais enfrenta grave crise fiscal, tendo decretado situação de calamidade financeira ainda em 2016. O estado não pagou o 13º salário do funcionalismo público, e Zema, ao assumir, vem sendo cobrado por isso. 

O governador também enfrenta pressão dos prefeitos, que decidiram adiar o início da aulas nas escolas municipais alegando falta de repasses estaduais nas primeiras semanas do ano. O governo afirma ter liberado a verba para educação. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.