Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Governadores do PSL nomeiam colegas de partido para o Executivo

No governo federal, Bolsonaro tem três nomes do seu partido como ministros

Carolina Linhares
São Paulo

Nos três estados aonde o PSL chegou ao poder, filiados do partido do presidente Jair Bolsonaro emplacaram nomeações.

Em Rondônia, por exemplo, o coronel Marcos Rocha (PSL), eleito governador, também é o presidente estadual da sigla. 

À esquerda, Coronel Marcos Rocha (PSL), com eleitores durante campanha para o governo de Rondônia - Divulgação/Facebook

O primeiro-secretário do PSL no estado, Elias Rezende, que é agente penitenciário, é o secretário de Desenvolvimento Ambiental. Evandro Padovani, que era secretário da Agricultura na gestão anterior, deixou o cargo para concorrer a deputado federal pelo PSL, foi eleito suplente e voltou à secretaria na gestão de Rocha. 

Dois candidatos a deputado estadual pelo PSL-RO, eleitos suplentes, também foram nomeados para o Executivo: Aziz Rahal é presidente do Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Rondônia e Constantino Erwen é superintendente estadual de Patrimônio e Regularização Fundiária. 

A primeira-dama de Rondônia, Luana Rocha, que concorreu a deputada federal pelo PSL e é formada em administração pública, é a secretária de Assistência Social. 

Érica Camargo Gerhardt, advogada que atuou na articulação do partido no estado, é subchefe na Casa Civil. 

Em Santa Catarina, o presidente do PSL também está no novo governo. Lucas Esmeraldino, candidato derrotado ao Senado, é secretário do Desenvolvimento Econômico Sustentável. 

Esmeraldino já foi vereador em Tubarão (SC), e seu então chefe de gabinete, Diego Goulart, é secretário-geral do PSL-SC e secretário de Articulação Nacional no governo catarinense. 

O governador Carlos Moisés da Silva, conhecido como Comandante Moisés, eleito em Santa Catarina pelo PSL - Theo Marques/Folhapress

O governador Comandante Moisés (PSL) tem ainda outro nome do partido em sua equipe. Segundo o deputado federal eleito Daniel Freitas (PSL-SC), o governador priorizou a qualidade técnica ao definir suas nomeações. 

Rui Godinho, agente da Polícia Civil, concorreu a deputado federal pelo PSL e foi eleito suplente. Agora comanda a Fesporte (Fundação Catarinense de Esporte). É faixa preta de jiu-jitsu e já foi professor da rede pública. 

O governador de Roraima, Antonio Denarium (PSL), nomeou o presidente do PSL no estado, Disney Barreto Mesquita, como seu secretário-chefe da Casa Civil. Mesquita é empresário do agronegócio. 

Impulsionado por Bolsonaro, o PSL lançou candidatos em 13 estados nas eleições do ano passado. Perdeu em Alagoas, Ceará, Maranhão, Piauí, Sergipe, Acre, Amapá, Tocantins, Espírito Santo e Paraná.

Os candidatos bolsonaristas derrotados nesses estados agora miram as eleições municipais do ano que vem —a orientação do partido é lançar candidatos no maior número de cidades possíveis. Também flertam com indicações no governo Bolsonaro.

No primeiro escalão do governo federal, o presidente nomeou três homens do seu partido: Marcelo Álvaro Antônio (Turismo), Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) e Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência).

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.