Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

PC do B defende apoio a Maia e deve se aliar a partido de Bolsonaro por disputa na Câmara

Cúpula comunista tem reunião com PDT e PSB para definir posição do bloco na eleição de presidente da Casa

Daniel Carvalho
Brasília

A tentativa de reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) deve promover a inimaginável união entre PC do B e PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro.

Após cerca de seis horas de reunião na sede da legenda, em Brasília, nesta terça-feira (15), os comunistas anunciaram preferência pela candidatura de Maia, assim como fez o PDT no fim de semana.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), após um café da manhã no CCBB, onde funcionou o governo de transição
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), após um café da manhã no CCBB, onde funcionou o governo de transição - Pedro Ladeira - 14.nov.2018/Folhapress

À noite, a cúpula dos dois partidos reúne-se com representantes do PSB, sigla que, na semana passada, havia dito que o ingresso do PSL na chapa "inviabiliza completamente" o apoio a Maia.

A tendência é que os três partidos, que formaram um bloquinho no fim do ano passado, marchem juntos na decisão sobre quem apoiar na eleição para presidente da Câmara.

O trabalho de convencimento tem sido feito por Pernambuco, estado governado por Paulo Câmara (PSB) e que tem a presidente nacional do PC do B, Luciana Santos, como vice-governadora. Maia tem reunião com Câmara nesta quinta-feira (17), no Recife.

"Tiramos uma preferência pela recondução do deputado Rodrigo Maia. Temos uma afinidade politica, institucional, democrática estabelecida há mais de três anos com ele", afirmou Santos.

Questionada sobre como explicar PC do B e PSL em um mesmo grupo, Luciana Santos disse que o partido de Bolsonaro é quem tem que justificar a aliança com Maia, já que o atual presidente da Câmara era alvo de críticas de integrantes do partido de Bolsonaro.

"Eles [o PSL] não conseguiram construir um candidato do governo. Aliás, eles declaravam antes que Rodrigo Maia não era o candidato deles, explicitamente dito pelos filhos do presidente da República eleito. Eles é que fizeram um movimento na direção de uma construção política que vem de muito tempo com a gente", disse a presidente do PC do B.

Na eleição de presidente da República, em outubro do ano passado, o PC do B disputou contra o PSL, com Manuela D'Ávila na vice da chapa de Fernando Haddad (PT).

Luciana Santos disse que a ideia é que o bloquinho (PSB, PDT e PC do B) forme um bloco maior para atuação ao longo da próxima legislatura na Câmara, mas sem o PSL.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.