Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Em vitória para Bolsonaro, Davi Alcolumbre é eleito presidente do Senado

Resultado representa uma vitória do governo, mas deixa feridas que podem ser problemáticas para a gestão Bolsonaro

Brasília

Depois de muita confusão, de recurso ao Supremo Tribunal Federal e da anulação de uma votação sob suspeita de fraude, o plenário do Senado elegeu na noite deste sábado (2), em votação secreta, Davi Alcolumbre (DEM-AP), 41 como presidente da Casa até janeiro de 2021. Ele  recebeu 42 dos 77 votos.

A vitória se deu após renúncia do até então favorito, Renan Calheiros (MDB-AL), que se retirou da disputa sob o argumento de que pressões antidemocráticas lhe suprimiram votos —ele chegou a citar os senadores José Serra (PSDB-SP), Mara Gabrilli (PSDB-SP) e Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

O resultado representa uma vitória do governo, mas deixa feridas que podem ser problemáticas para a gestão de Jair Bolsonaro.

A candidatura de Alcolumbre foi bancada pelo ministro da Casa Civil de Bolsonaro, Onyx Lorenzoni (DEM), que obtém fôlego para seguir na articulação política do governo.

Renan e aliados, porém, têm ainda relativo poder no Senado, o que pode representar problemas já que para a aprovar a principal medida do início de sua gestão, a reforma da Previdência, é preciso o apoio de pelo menos 60% dos deputados federais e dos senadores.

O governo tentará trabalhar também em outros temas prioritários que dependem do Congresso, como o pacote de combate à corrupção e a criminalidade que está sendo montado pelo ministro Sergio Moro (Justiça).

Em seu discurso de vitória, Davi citou Renan e prometeu não fazer revanchismo, defendeu a proposta de reformas e disse que vai priorizar os "anseios das ruas" em detrimento da "troca de conchavos das elites partidárias."

O novo presidente do Senado também disse que combaterá a "intromissão amesquinhadora do Poder Judiciário".

O resultado deste sábado também consolida nas mãos do DEM, até então uma legenda mediana, um dos maiores poderes da Esplanada dos Ministérios —comandará a Câmara (com Rodrigo Maia, reeleito na sexta) e o Senado, além de três ministérios do governo Bolsonaro.

No início do ano, o ministro da Casa Civil havia tentado montar um nome alternativo a Maia na Câmara, mas se afastou das articulações quando o colega do DEM conseguiu consolidar apoio, costurando alianças da direita à esquerda na Casa.

No Senado, por sua vez, a confusão e o tensionamento da votação —além do desgaste de Renan— beneficiou o nome patrocinado por Onyx.

Os senadores empossados passaram mais de 13 horas nesta sexta e sábado em sessões que motivaram diversos discursos, dos próprios parlamentares, dizendo-se envergonhados com o que estava acontecendo na Casa.

Uma sucessão de manobras antirregimentais, confusões e idas e vindas, votação anulada, de tudo um pouco aconteceu no Senado nesses dois dias.

O pano de fundo foi a disputa entre Renan —político de bastidores que soma 40 anos de trajetória política, 24 deles no Senado, Casa que já presidiu por quatro vezes— e o grupo governista comandado por Onyx Lorenzoni, antigo desafeto do emedebista.

Para barrar as pretensões de Renan, Onyx trabalhou o nome de Alcolumbre, político que há 15 anos habitava o chamado "baixo clero" do Congresso, de quem é próximo. A mulher do ministro da Casa Civil foi empregada do gabinete de Alcolumbre.

Desde esta sexta, o senador do Amapá e aliados tentaram passar por cima do regimento do Senado e fazer uma votação aberta para a escolha do comando da Casa, o que praticamente eliminava as chances de sucesso de Renan.

O emedebista é alvo da Lava Jato e de diversas campanhas públicas contra o que chamam de "velha política". Ou seja, não teria chances em uma votação aberta.

Aliados de Renan inviabilizaram a sessão, operação que contou com o "sequestro" da pasta de condução dos trabalhos pela senadora Kátia Abreu (PDT-TO). Após o término da sessão ela disse ter deixado a pasta de volta sobre a Mesa do plenário.

Na madrugada deste sábado, o presidente do STF, Dias Toffoli, atendeu a pedido de aliados de Renan e mandou o Senado realizar votação secreta, como estabelece o regimento e como sempre foi feito.

A sessão foi retomada pouco antes das 12h deste sábado. Na primeira votação em cédulas de papel houve mais uma confusão. 

Após a abertura da urna e checagem dos papéis, constatou-se a existência de 82 cédulas, sendo que só há 81 senadores.

Realizou-se, então nova votação. Nesse momento, o PSDB decidiu mostrar a cédula e declarar todos os seus votos em Davi Alcolumbre. Flávio Bolsonaro, que também não havia revelado o voto no primeiro escrutínio, fez o mesmo. Ele é investigado por movimentações suspeitas em suas contas e já era cobrado em redes sociais por um suposto acordo de apoio a Renan em troca de escapar do Conselho de Ética.

Renan apontou essas mudanças de posição de Flávio e do PSDB como razões para sair da disputa.

Logo após deixar às pressas o plenário, ele negou que vá entrar na Justiça e deixou em aberto qual será sua relação com o governo Jair Bolsonaro.

"Eu retiro a postulação porque entendo que o Davi não é o Davi, é o Golias. Davi sou eu. Ele é o Golias, atropela o Congresso. O próximo passo é o Supremo Tribunal Federal sem o cabo e sem o sargento", afirmou Renan em entrevista, fazendo alusão a uma declaração de outro filho do presidente da República, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Em uma palestra Eduardo havia dito que não era necessário nem um jipe, basta um soldado e um cabo para fechar o STF.

Segundo o senador do MDB, Flávio foi pressionado a abrir seu voto no segundo escrutínio.

"Estou saindo porque o voto foi declarado na forma do regimento como secreto. Eles abriram o voto. Na primeira votação, houve um equívoco, um voto a mais e, por conta disso, eles abriram o voto do PSDB para inibir quatro possibilidades de votos que tínhamos. Qual a lisura? E no final o filho do presidente fez questão de abrir o voto", afirmou.

Político com mandato desde 2001, quando tinha 23 anos, Alcolumbre foi vereador até 2002, deputado federal de 2003 a 2014 e senador desde então. 

Em todos esses anos, quase nunca participou de movimentações políticas de relevo. O maior feito político de sua carreira foi desbancar em 2014 o candidato de José Sarney (MDB-AP) e se eleger senador pelo Amapá.

Além de Renan e Alcolumbre, registraram-se como candidatos e foram até o final Esperidião Amim (PP-SC), Angelo Coronel (PSD-BA), Regguffe (sem partido-DF) e Fernando Collor (PROS-AL).

Quatro dos 81 senadores não votaram: Renan, Jader Barbalho (MDB-PA), Eduardo Braga (MDB-AM) e Maria do Carmo (DEM-SE).

O presidente do Senado é o terceiro na linha sucessória da Presidência da República e tem, entre outros poderes, o de definir a pauta de votações do plenário.

Daniel Carvalho, Ranier Bragon , Thais Bilenky e Marina Dias
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.