Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro chama ditador de estadista e se irrita com pergunta sobre laranjas

Em Itaipu, o presidente não quis responder sobre tentativa de censura do jornal pelo ministro do Turismo

Estelita Hass Carazzai
Foz do Iguaçu (PR)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) elogiou os presidentes da ditadura militar brasileira (1964-1985) e atribuiu a eles o mérito pela construção da hidrelétrica de Itaipu, onde esteve nesta terça-feira (26) para participar de uma cerimônia.

“Eu queria relembrar aqueles que realmente foram os responsáveis por essa obra. Isso tudo, as primeiras tratativas, começaram ainda lá atrás, no governo do marechal Castelo Branco”, afirmou, destacando que o militar, que governou de 1964 a 1967, foi eleito presidente "à luz da Constituição vigente naquele momento".

Castelo Branco foi eleito de forma indireta pelo Congresso em 11 de abril de 1964, dias após o golpe militar que depôs o então presidente João Goulart.

Ao final do evento em Itaipu, em entrevista, Bolsonaro não quis responder a um questionamento da Folha sobre a tentativa do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, de censurar reportagens do jornal sobre o caso dos laranjas do PSL --a Folha revelou a ligação do ministro com o esquema.

A reportagem indagou se Bolsonaro sabia da ação judicial que o ministro moveu contra o jornal, mas o presidente se irritou e não quis responder. “Eu peço, por favor! Estamos tratando de uma questão de extrema importância para o nosso país. Outra pergunta, por favor”, disse o presidente.

O presidente Jair Bolsonaro e o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, em reunião durante a cerimônia de posse do general Joaquim Silva e Luna como diretor de Itaipu
O presidente Jair Bolsonaro e o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, em reunião durante a cerimônia de posse do general Joaquim Silva e Luna como diretor de Itaipu - Marito Abdo/Twitter

Ditador estadista

Em discurso durante a solenidade, ao lado do presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, Bolsonaro citou os outros presidentes militares brasileiros e ainda celebrou o ditador paraguaio Alfredo Stroessner, a quem chamou de estadista.

“Isso tudo não seria suficiente se não tivesse, do lado de cá [paraguaio], um homem de visão, um estadista, que sabia perfeitamente que seu país, o Paraguai, só poderia prosseguir, progredir, se tivesse energia. Aqui também a minha homenagem ao nosso general Alfredo Stroessner”, declarou, sob palmas da plateia.

Homônimo de seu pai, Benítez é filho do secretário privado de Stroessner. Durante a campanha presidencial, o ex-senador preferiu omitir a defesa aberta da ditadura que marcou sua carreira política.

Stroessner (1912-2006) governou o Paraguai por 35 anos, de 1954 a 1989, recorde que só foi ultrapassado pelo período em que Fidel Castro se manteve no poder em Cuba. 

Seu governo foi marcado por acusações de corrupção e autoritarismo. O ditador morreu no exílio —justificado por "razões humanitárias"— em Brasília, em 2006, depois de sofrer um golpe de Estado e ser expulso do Paraguai em 1989. O governo Fernando Henrique Cardoso se absteve de responder a um pedido de extradição em 2000 feito pelo Paraguai.

O filho de Stroessner, Gustavo, foi processado por corrupção, peculato e venialidade e também se exilou no Brasil. O Paraguai pediu duas vezes a extradição de Gustavo —em ambas, o governo brasileiro se recusou a atender o pedido.

Bolsonaro viajou a Foz do Iguaçu (PR) para acompanhar a posse da nova diretoria de Itaipu —a primeira presidida por um militar nos últimos 30 anos.

O novo diretor-geral brasileiro da empresa é o general Joaquim Silva e Luna, que foi ministro da Defesa de Michel Temer (MDB) no ano passado. Também tomou posse o vice-almirante Anatalício Risden Júnior, militar da reserva da Marinha, como diretor financeiro executivo.

A usina de Itaipu foi idealizada e construída de 1975 a 1982, durante a ditadura militar brasileira, e inaugurada em 1984, no governo do general João Baptista Figueiredo.

Stroessner, na época, era presidente do Paraguai, que construiu o empreendimento em conjunto com o Brasil.

Bolsonaro prometeu uma aproximação do governo paraguaio e elogiou Benítez, com quem teve um encontro bilateral antes da cerimônia. “É um cristão, um conservador, um homem de família. Esses valores nos trouxeram até aqui. Com a graça de Deus, continuaremos juntos, pelo bem dos nossos povos. Esquerda, nunca mais”, declarou.

A imprensa acompanhou o evento em uma sala separada do auditório, por meio de um telão.

A Secretaria de Comunicação da Presidência argumentou que o espaço no auditório era insuficiente para abrigar os jornalistas do Brasil e do Paraguai.

Colaborou Mario Cesar Carvalho, de São Paulo

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.