Há quase 130 anos, outro Floriano Peixoto dominava a política

Floriano Peixoto Vieira Neto, novo titular da Secretaria-Geral da Presidência, não tem parentesco com o ex-presidente

Rodrigo Vizeu
São Paulo

Faltam-me estatísticas, mas parece seguro afirmar que a grande maioria dos brasileiros ignora quem seja ou não tem opinião alguma sobre Floriano Peixoto, o segundo presidente do Brasil.

É uma pena, pois muitos acabam perdendo a saborosa ironia de ver, quase 130 anos depois, alguém com esse nome e sobrenome em um cargo de destaque no palácio presidencial. No caso, o general Floriano Peixoto Vieira Neto, novo ministro da Secretaria-Geral da Presidência e sem parentesco com o Floriano do passado.

O secretário executivo da Secretária da Presidência da República, general Floriano Peixoto, fala à imprensa, após reunião para discutir a situação dos hospitais federais no  Rio de Janeiro
O secretário executivo da Secretária da Presidência da República, general Floriano Peixoto - Tomaz Silva/Agência Brasil

Entre os que arriscam um comentário sobre o presidente do século 19, predomina a imagem do Marechal de Ferro, que exibia pouco apreço pelo sistema democrático e reprimiu com violência levantes contra sua administração, como a Revolta da Armada e a Revolução Federalista.

Em nota mais folclórica, ficaram célebres episódios em que destratou diplomatas e até mesmo esnobou a transmissão de cargo do sucessor, Prudente de Morais, em um “ocupado, irmão” avant la lettre.

Menos lembrado é que o mesmo presidente que governou de forma autoritária também foi bastante popular. 

Parte da juventude militar e setores das classes média e baixa se entusiasmaram com aquele marechal alagoano de modos rudes e sem papas na língua, que andava de bonde e se tornou um símbolo contra o “tudo isso que está aí” da época —isto é, a corrupção (sempre ela) e o que sobrara da carcomida política imperial.

Vale lembrar que apesar de ostentar essa imagem de novidade, Floriano tinha pouco de nova política. Era formado na elite do Exército imperial e aderiu à República no último momento, descolando uma vaguinha de vice-presidente. Subiu de nível com a renúncia do titular, Deodoro da Fonseca.

Em torno do presidente se formou o primeiro movimento de cores populistas de nossa história política. 

O florianismo misturava um nacionalismo febril a um apoio popular fanático. Antecedeu os vários “ismos” com toques de culto à personalidade que viriam depois, como getulismo, brizolismo, malufismo, lulismo e bolsonarismo.

Diferentemente de populistas posteriores, Floriano pouco aproveitou sua fama para construir uma liderança longeva em cima da manobra de massas enamoradas. Afastou-se da política e morreu meses depois de sair da Presidência, em 1895, aos 56 anos.

Como legado, consolidou assim a frágil e jovem república brasileira, proclamada poucos anos antes, em 1889.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.