Descrição de chapéu Lava Jato

PF não encontra um único celular na casa de Paulo Preto

Agentes acharam carregadores e cabos, mas nenhum telefone, o que sugere ocultação de provas

Curitiba

Ao cumprir um mandado de busca na casa do ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, nesta terça-feira (19), a Polícia Federal não encontrou um único telefone celular.

No closet do investigado, porém, os policiais acharam “quase uma dezena” de cabos conectados à tomada, sem que nenhum aparelho estivesse por perto.

Cabos e carregadores no closet de Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, pela PF. A despeito deles, nenhum celular foi encontrado ou apreendido na residência. Crédito: Polícia Federal
Cabos e carregadores achados pela PF no closet de Paulo Preto; nenhum celular foi encontrado ou apreendido no imóvel - Polícia Federal/Divulgação

Para o delegado Alessandro Netto Vieira, isso indica que Paulo Preto pode ter “agido de forma deliberada para ocultar provas” —a não ser que se considere “a absurda hipótese de o investigado não fazer uso de celular algum”, escreveu, em relatório à Justiça.

O investigador destaca que Paulo Preto e a mulher demoraram a permitir a entrada dos policiais, e só o fizeram quando a equipe estava prestes a arrombar a porta.

Após uma busca minuciosa pelo apartamento, segundo o delegado, a equipe de oito policiais não conseguiu achar um único celular.

Para ele, isso reforça a necessidade da prisão preventiva de Souza.

Paulo Preto, ex-diretor da Dersa e suposto operador do PSDB em São Paulo - José Cruz - 29.ago.2012/ABr

Paulo Preto está detido sob suspeita de operar propinas em espécie para a empreiteira Odebrecht, entre 2010 e 2011.

Ele deve permanecer na superintendência da PF em São Paulo, onde acompanha audiências de uma ação em que é réu, até a quarta-feira da semana que vem (27).

A Folha tentou contato com a defesa do investigado, mas não houve manifestação até a conclusão deste texto.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.