Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

'Segue o baile', diz Mourão após Supremo rejeitar pedido de Flávio Bolsonaro

Para o vice-presidente, ministro do STF Marco Aurélio tomou decisão que avalia ser a mais correta e coerente

Gustavo Uribe
Brasília

O vice-presidente Hamilton Mourão avaliou nesta sexta-feira (1º) que o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio "faz o seu papel" ao negar pedido do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) para que investigações sobre movimentações financeiras atípicas tivessem provas anuladas.

Para o general da reserva, o ministro tomou a decisão que ele julga mais coerente e correta. O magistrado 
arquivou o pedido sem julgá-lo, o que, na prática, deve permitir a continuidade das apurações na primeira instância da Justiça do Rio de Janeiro.

 

"A Justiça faz o seu papel, né? Segue o baile", diz Mourão. "Não sou advogado, não sou jurista, né? Acho que foi o ministro Marco Aurélio que tomou a decisão e deve ter tomado aquilo que é o mais coerente e correto", acrescentou.

A investigação partiu de um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) que apontou transações atípicas de Fabrício Queiroz, que trabalhou para Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro quando ele era deputado estadual.

O senador, que toma posse nesta sexta-feira (1º), argumentou que era alvo da investigação, ainda que o Ministério Público do Rio de Janeiro não o incluísse formalmente no rol de suspeitos. Flávio pediu ao STF que a apuração tramitasse perante a corte devido à sua prerrogativa de foro, em razão de ter sido eleito e diplomado senador.

A investigação estava suspensa desde o último dia 17 por decisão do ministro Luiz Fux, que estava à frente do plantão no Supremo. Fux suspendeu as apurações até que Marco Aurélio, que foi sorteado para ser o relator do caso, pudesse analisá-lo. Agora, a investigação foi liberada.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.