Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Após repercussão negativa, Bolsonaro apaga vídeo de 'golden shower'

Defesa de homens retratados no vídeo ingressaram com mandado de segurança requerendo a exclusão das imagens

O presidente Jair Bolsonaro durante reunião sobre o Sistema de Proteção Social dos Militares - Marcos Corrêa - 20.mar.2019/PR
Gustavo Uribe
Brasília

Após ter causado polêmica nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro apagou vídeo com conteúdo obsceno que havia divulgado durante o Carnaval.

Ele também retirou pergunta sobre o que era "golden shower", práticas sexual exibida nas imagens e que define o  fetiche de urinar na frente de um parceiro ou sobre ele.

A publicação, que foi criticada tanto pela cúpula militar como por líderes partidários, foi apagada de sua conta oficial do Twitter sem explicações oficiais do Palácio do Planalto.

Na terça-feira (19), a defesa dos dois homens retratados no vídeo ingressou com pedido de mandado de segurança no STF (Supremo Tribunal Federal) requerendo a exclusão das imagens da conta do presidente.

Em caráter reservado, assessores presidenciais afirmam que o vídeo foi excluído pelo presidente no dia 7 de março, devido à repercussão negativa do episódio, inclusive na imprensa estrangeira. Procurado pela Folha, o Palácio do Planalto não quis comentar oficialmente.

 

A data de exclusão, contudo, é contestada por amigos dos homens expostos. Segundo eles, o vídeo ainda não havia sido apagado da conta oficial do presidente na segunda-feira (18).

As imagens divulgadas mostravam um homem introduzindo um dedo no próprio ânus e recebendo um jato de urina na nuca.

Segundo relatos feitos à Folha, Bolsonaro ficou incomodado com a repercussão negativa causada pelo vídeo, "sentiu o golpe" e admitiu que reagiu por impulso ao compartilhar o material.

Em nota à imprensa, a defesa dos dois homens afirmou que a exclusão do conteúdo é uma "atitude republicana" e uma "grande vitória" para democracia,

"Nós consideramos que, processual e tecnicamente, ainda há questões jurídicas a serem enfrentadas pela Suprema Corte", disse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.