Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bancada evangélica aclama novo presidente e renova apoio a Bolsonaro

Silas Câmara (PRB-AM) é escolhido por aclamação em reunião-culto na Câmara

Anna Virginia Balloussier
Brasília

Após uma disputa marcada por rachas internos, a bancada evangélica da Câmara chegou a um consenso nesta quarta-feira (27) e elegeu como seu novo presidente o deputado Silas Câmara (PRB-AM). A escolha, por aclamação, ocorreu em uma reunião-culto na Câmara. 

Com isso, a bancada deixa o processo fortalecida e com um discurso renovado de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), isso em meio a uma crise política que afeta a base do governo no Legislativo, atinge diferentes ministérios e trava a pauta econômica no Congresso

Entre os assuntos sensíveis à bancada evangélica estão o projeto Escola sem Partido (para eliminar suposta doutrinação ideológica nas escolas), o Estatuto do Nascituro, o Estatuto da Família (que reconhece como família apenas a união "entre um homem e uma mulher") e a abordagem pela educação de temas ligados a gênero.

Jair Bolsonaro em encontro com a bancada evangélica antes de assumir a Presidência, em Brasília
Jair Bolsonaro em encontro com a bancada evangélica antes de assumir a Presidência, em Brasília - Rafael Carvalho - 28.nov.2018/Divulgação

O bloco evangélico vinha se engalfinhando em um racha inédito entre seus integrantes, que em geral se uniam em torno de um único nome, sem candidatos. Neste ano se inscreveram seis: os novatos Cezinha de Madureira (PSD-SP), Glaustin Fokus (PSC-GO), Flordelis (PSD-RJ) e Abílio Santana (PR-BA), além dos veteranos Silas Câmara e Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), ligado ao pastor Silas Malafaia.

Na reta final, porém, todos renunciaram com um discurso de que a frente precisava de unidade. É como o deputado Fokus disse ao retirar seu nome do páreo: "Estou vendo clima de disputa, para não dizer hostil. Que papai do céu possa trazer paz a esse ambiente".

Precederam a eleição pistas de que Silas Câmara, deputado há duas décadas, seria mesmo o nome capaz de pacificar o clima descrito dias antes por uma assessora como de "tiro, porrada e bomba". 

Silas Câmara tem um histórico de problemas com a Justiça. Em 2018, por exemplo, ele e a esposa tiverem a perda dos direitos políticos decretada pela Justiça Federal no Acre. A deputada Antonia Lúcia usou por anos o celular corporativo do marido para atividades extraparlamentares. A sentença ainda não é definitiva, já que ambos, acusados de improbidade administrativa, recorreram.

Em 2010, o STF (Supremo Tribunal Federal) recebeu uma ação penal contra ele. Acusação: peculato. Ele é suspeito de desviar recursos que deveriam ir para o pagamento de servidores de seu gabinete. O dinheiro estariam servindo para bancar o salário de funcionários que trabalhavam em sua casa entre 2000 e 2001.

Marco Feliciano (PODE-SP), ausente por causa de uma cirurgia na boca, divulgou uma carta aberta em que ameaçava deixar a bancada religiosa "no caso da escolha não ser consensual", com um adendo: "Não serei o único".

"Temos inimigos suficientes lá fora que já nos rotulam de fisiologistas, sugerem luta pelo poder por parte de líderes religiosos, chegam ao extremo de maldosamente falarem que o DEM já tão prestigiado no governo quer também assumir até a frente."

DEM é o partido de Sóstenes, que tem Malafaia como cabo eleitoral. Seu nome perdeu força após colegas encrencarem com um dos pontos que ele defendia em sua campanha, o de "promover reuniões com os cônjuges dos parlamentares".

Esses seriam encontros que levariam, de tempos em tempos, esposas e maridos até Brasília. Para o democrata, a medida diminuiria a traição dos companheiros, que muitas vezes ficam nos estados de origem do parlamentar. Pegou mal.

Apoio a Bolsonaro

Pastor da Assembleia de Deus, o novo líder do bloco é casado com outra deputada, Antônia Lucia (PSC-AC). Quando ela estreou no Congresso, 12 anos após o marido, não abriu mão do auxílio-moradia, ainda que os dois morassem juntos num apartamento funcional em Brasília.

Silas se comprometeu a lutar para que a bancada volte "à sua origem, que é defender os costumes ligados aos céus, à família". Em seguida, disse que a assessoria do bloco evangélico detectou 1.798 proposições que "afetam diretamente nossa fé".

Se os evangélicos não se unirem, disse, projetos como o 122, uma proposta de combate à homofobia, virariam lei. "Todas aquelas batalhas que fez o povo chorar e sangrar."

À Folha o comandante dos evangélicos na Câmara contemporizou uma queixa comum entre eles, a demora para que o presidente Bolsonaro anuncie de uma vez por todas a transferência da embaixada em Israel para Jerusalém, tida como Terra Sagrada.

"Não ouvi o governo dizer que não vai fazer ainda. Vai cumprir a palavra. Estou crendo que [Bolsonaro] está preparando a economia para o momento mais adequado [para oficializar a retirado do corpo diplomático de Tel Aviv]", afirmou.

Se evangélicos respaldam em massa o governo Bolsonaro, um contraponto à queda de 15 pontos na aprovação do presidente detectada por uma pesquisa Ibope, os deputados que representam o segmento não ficam atrás. Dizem-se Bolsonaro desde criancinhas.

Fora dos microfones há reclamação de falta de diálogo e de espaço no Executivo. Na reunião desta quarta, contudo, todos aplaudiram quando Lincoln Portela (PR-MG), o presidente interino que passou o bastão para Silas, rejeitou que a bancada pressione o governo por cargos e que qualquer deputado fale em nome de todos, sobretudo após circular a notícia de que o bloco prepara um manifesto declarando independência no governo. Não se pode "fazer chantagem" com o presidente, afirmou.

Na sua vez de falar, Silas Câmara disse que não se pode discutir cargos ou coisa que o valha, não se pode discutir "absolutamente nada a não ser o reino [de Deus]".

Foi dia de casa cheia e cantoria gospel, com voz e violão da deputada estreante Lauriete (PR-ES), ex-mulher do ex-senador Magno Malta (PR-ES), que entoou versos como "eu contigo pisarei".

Acompanhavam em coro, da primeira fila, Benedita da Silva (PT-RJ) e o mais animado naquele plenário da Câmara, o Pastor Sargento Isidório (Avante-BA). Vinha dele, autodeclarado ex-gay e recordista de votos em seu estado, os gritos mais altos de "glória a Deus".

A curiosidade pelo pleito atraiu um amplo leque partidário, de Kim Kataguiri (DEM-SP), que é protestante, a Alexandre Padilha (PT-SP), que disse ter pai metodista.

A união da frente parlamentar, que oficialmente tem cerca de 170 integrantes, mas na ativa mesmo menos de 40, será selada com uma Santa Ceia, um hábito em começo e fim de mandatos. A organização costuma ficar a cargo de uma assessora de Paulo Freire (PR-SP), que sempre leva pão e suco de uva no lugar do cálice de vinho da narrativa bíblica.

Antes de puxar uma oração pela bancada, Pastor Eurico (Patri-PE) deu o tom do que seria a manhã desta quarta no plenário 6 da Câmara: "Que o mundo possa ver que nós somos uma coisa diferente, porque Deus não escolheu uma coisa qualquer".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.