Frota diz ser 'persona non grata' para Bolsonaro por defender prisão de Queiroz

Em uma sequência de tuítes, o deputado disse que o presidente está chateado

Alexandre Frota  ao lado de deputados que trocam abraços
O então deputado federal eleito Alexandre Frota (PSL-SP) participa da sessão solene do Congresso em homenagem aos 30 anos da Promulgação da Constituição Federal de 88 - Pedro Ladeira - 06.nov.2018/Folhapress
Angela Boldrini
Brasília

O deputado Alexandre Frota (PSL-SP) afirmou nesta quinta-feira (14) que se tornou "persona non grata" no governo de Jair Bolsonaro por defender a prisão do ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Fabrício Queiroz. 

"Hoje depois de quatro anos de dedicação recebi a informação que sou persona não grata no governo Bolsonaro por eu defender a prisão do Queiroz que confessou rachar os salários de funcionários, e por ter pedido o afastamento do senador para ele apenas se defender", disse pelas redes sociais.

Na mesma publicação, postou uma imagem de si mesmo no plenário vazio da Câmara com os dizeres: "todos os dias são dias de batalha, por isso preciso manter minha firmeza e visão! Pois eu defendo o meu país!".

Frota é um dos poucos parlamentares a comparecer às sessões de segundas e sextas, quando não há nenhum tipo de votação no plenário da Casa. Nesse tipo de reunião, no geral deputados apenas usam o microfone para fazer discursos que serão transmitidos online ou pela Voz do Brasil.

"Eu vou lutar pelo o que eu acho certo. Se acham que vou me calar ou fazer joguinho político estão enganados", disse em seguida, no Twitter.

Depois, o deputado afirmou ter encontrado com o filho do presidente, que teria confirmado que o presidente está chateado com Frota. "Hoje encontrei o @FlavioBolsonaro ele me confirmou que o pai ficou chateado comigo foi a terceira pessoa que veio me dar o recado. Ok, recado dado", escreveu.

​​

Ser considerado pessoa non grata no governo não impediu Frota de continuar defendendo o presidente em suas redes. "Querem saber quem mandou [matar] Marielle? Nós queremos saber também quem Mandou matar o JAIR", publicou pouco depois da postagem original.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.