Prisão sem prova fere lei para tentar exibir troféu, diz defesa de Temer

Advogado de ex-presidente afirma que houve grave atentado ao estado democrático e de direito

Wálter Nunes
São Paulo

O advogado Eduardo Carnelós, que defende o ex-presidente Michel Temer, divulgou nota na tarde desta quinta-feira (21) em que classifica a prisão do seu cliente como sendo um “dos mais graves atentados ao estado democrático e de direito no Brasil”.

“Os fatos objeto da investigação foram relatados por delator, e remontam ao longínquo primeiro semestre de 2014. Dos termos da própria decisão que determinou a prisão, extrai-se a inexistência de nenhum elemento de prova comprobatório da palavra do delator, sendo certo que este próprio nada apresentou que pudesse autorizar a ingerência de Temer naqueles fatos”, diz Carnelós.

 O ex-presidente Michel Temer embarca em avião no aeroporto de Guarulhos rumo ao Rio de Janeiro.
O ex-presidente Michel Temer embarca em avião no aeroporto de Guarulhos rumo ao Rio de Janeiro - Reprodução/TV Globo

A defesa diz que os fatos usados para a prisão de Temer são alvo de recurso que está em apreciação no Supremo Tribunal Federal.

“Aliás, tais fatos são também objeto de requerimento feito pela procuradora-geral da República ao STF (Supremo Tribunal Federal) e o deferimento dele pelo ministro Roberto Barroso, para determinar instauração de inquérito para apurá-los, é objeto de agravo interposto pela defesa, o qual ainda não foi julgado pelo Supremo”, diz o advogado.

Carnelós diz que a prisão de seu cliente serve como troféu e que as instâncias superiores do Judiciário devem rechaçar o que ele considerou “tamanho acinte”.

“Resta evidente a total falta de fundamento para a prisão decretada, a qual serve apenas à exibição do ex-presidente como troféu aos que, a pretexto de combater a corrupção, escarnecem das regras básicas inscritas na Constituição da República e na legislação ordinária."

Erramos: o texto foi alterado

Versão anterior deste texto trazia legenda em que classificava como jato o avião no qual Michel Temer embarcou após ser preso. Tratava-se de um avião turboélice. A legenda foi corrigida.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.