Em freio a Doria, tucanos articulam comando rotativo no PSDB

Caciques negociam mandatos de seis meses para presidente do partido para esvaziar governador

Thais Bilenky
Brasília

​Decanos tucanos articulam reservadamente que o comando do partido passe a ser rotativo.

Em vez de um mandato renovável de dois anos, como tem sido, o próximo presidente, que deve ser escolhido em maio, exerceria a função por quatro a seis meses, dando espaço em seguida a outro membro da executiva, e assim sucessivamente. 

Expoentes como os senadores José Serra (SP) e Tasso Jereissati (CE) foram consultados. “Eu acho uma boa ideia”, disse o cearense.

O ex-governador paulista Geraldo Alckmin, presidente nacional do PSDB, também faz parte das negociações, segundo relatos feitos à reportagem.

Consultado, Alckmin disse por meio de sua assessoria que "a sucessão não entrou ainda na pauta do PSDB". "De qualquer forma ele não pretende propor o rodízio na presidência", afirmou.

A articulação, se vingar, será um revés para o governador de São Paulo, João Doria, que apadrinhou a candidatura do ex-deputado e ex-ministro Bruno Araújo (PE) para a presidência do PSDB. 

Tendo um aliado à frente da sigla, ele fica bem posicionado para a eleição presidencial de 2022. Aliados de Doria condenaram a iniciativa.

"Ideia de jerico", comentou o prefeito de São Bernardo do Campo (SP), Orlando Morando (SP). "É inconsistente, um absurdo, tem que fazer uma coisa programada. Em seis meses não dá para construir nada", rechaçou o aliado de Doria. 

A convenção nacional do PSDB será em maio, em dia ainda não fechado. Na ocasião, será eleita uma nova executiva nacional. A expectativa do grupo do governador de São Paulo é ampliar sua representatividade no colegiado, hoje dominado pela velha guarda.

O governador de São Paulo, João Doria, que busca se consolidar como cacique nacional no PSDB
O governador de São Paulo, João Doria, que busca se consolidar como cacique nacional no PSDB - Marlene Bergamo - 31.mar.2019/Folhapress

Fazem parte da atual direção tucanos com problemas judiciais que não se elegeram em 2018 como os ex-governadores Marconi Perillo (GO) e Beto Richa (PR) e o ex-ministro Aloysio Nunes Ferreira (SP).

Em seu trabalho para se consolidar como um líder nacional, Doria convidou as bancadas do PSDB na Câmara e no Senado para um jantar no Palácio dos Bandeirantes no próximo dia 12.

Ele também montou uma equipe de governo com ex-ministros de partidos grandes, já antecipando costuras de alianças eleitorais em 2022.

A aproximação entre Doria e Araújo começou depois de se eleger prefeito de São Paulo, em 2016. Ao tomar posse, o tucano começou um giro pelo país para se viabilizar candidato a presidente, em detrimento de Alckmin. 

Na ocasião, o tucano encontrou em Pernambuco um aliado entre os cabeças pretas, jovens do PSDB que queriam renovação no partido. Naquele ano, Araújo assumira o Ministério das Cidades do governo Michel Temer (MDB) e manteve próxima a relação com Doria, eleito prefeito.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.